Pastor é demitido após contrariar a remoção cruzes de igrejas na China

o Pastor Gu Yuese era liderava a Igreja Chongyi, em Hangzhou, que recebe mais de 10.000 pessoas entre membros e visitantes a cada semana. A missão 'China Aid' afirmou que o afastamento de Gu é um 'abuso contra a liberdade religiosa'.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quarta-feira, 27 Janeiro de 2016 as 2:17

O pastor da maior igreja cristã da China foi afastado de seu cargo no que alguns estão chamando de "movimento de retaliação contra a oposição do pastor à remoção das cruzes de igrejas, ordenada pelo governo do país.
 
Segundo o Christian Today, o Pastor Gu Yuese era liderava a Igreja Chongyi, em Hangzhou, que recebe mais de 10.000 pessoas entre membros e visitantes a cada semana.
 
A missão 'China Aid' afirmou que o afastamento de Gu é um 'abuso contra a liberdade religiosa'.
 
No entanto, dois outros grupos - o 'Movimento Patriótico Três Autonomias' (TSPM) e o Conselho Cristão da China - afirmam que Gu foi demitido para que a China possa "dar um passo para mais perto de sua auto-criação e gestão de locais de igrejas, por parte das duas organizações cristãs em Hangzhou, promover a rotação normal dos principais cristãos encarregados de igrejas e resolver o relacionamento interpessoal entre a província e as duas organizações municipais [cristãs]".
 
Gu e sua esposa Zhou Lian Mei dizem que, apesar da demissão, eles vão continuar a servir a Igreja de outras maneiras.
 
"Independentemente do que pode vir depois disso, nós vamos continuar a servir a Igreja Chongyi, se não houver nenhuma outra orientação diferente, vinda de Deus! Claro que a forma [de culto] pode mudar, mas o nosso amor pelo Senhor e Seu rebanho nunca vai mudar, porque somos servos do Senhor! Graças a Deus!", declarou o casal.
 
"Cada vez mais, nós sentimos boas intenções de Deus nesta tempestade. Ele vai refinar toda impureza em nossa equipe ministerial, nos obrigando a amar o Senhor e as pessoas de forma mais pura".

Gu será substituído pelo pastor Zhang Zhong Cheng, vice-presidente do Comitê Chinês Cristão em Hangzhou.
 
A campanha do governo chinês para restringir o cristianismo resultou em centenas de cruzes removidas das igrejas, templos demolidos e pastores presos.

veja também