Pastor que abriu escola gratuita para 400 crianças é morto na Nigéria

O Pastor Joshua Adah foi vítima da ira de muçulmanos pertencentes ao grupo Fulani, ligados ao Boko Haram.

fonte: Guiame, com informações de The Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 2 Fevereiro de 2015 as 3:54

 

Um pastor muito popular na Nigéria, principalmente por seu intenso trabalho social, foi morto à caminho do serviço pastoral por líderes muçulmanos, provavelmente ligados ao grupo terrorista Boko Haram.

O Pastor Joshua Adah, que fundou e operou uma escola de ensino gratuito a mais de 400 crianças na aldeia de Bantaje, foi vítima da ira de muçulmanos pertencentes ao grupo Fulani, os mesmos que atacaram as comunidades cristãs da Nigéria no último mês.

Depois de participar de um evento evangelístico, o seu carro de Adah quebrou e ele teve que encostar na beira da estrada. Depois chamar o mecânico, que não conseguiu concertar o automóvel, Adah pediu para que o ajudante buscasse um reboque. Ao retornar, o mecânico não conseguiu encontrar Adah. Após uma longa busca, o mecânico encontrou o corpo morto do pastor.

"Eu não sei por que Deus permitiu que Boko Haram tirasse sua curta vida. Mesmo quando isso se tornou perigoso, ele se recusou a parar, e continuou pregando Cristo nas aldeias, onde muitos não vão", disse a esposa de Adah.

"Ele compartilhou seus poucos recursos com os pobres. Ele mostrou o amor a eles. Sua casa era deles. Eu não posso manter as lágrimas", disse a esposa. "Eu me lembro de todas as vezes que ele orou comigo e me incentivou. Eu me sinto tão abalada!".

veja também