Pastor Saeed Abedini evangelizou 10 prisioneiros em seu primeiro ano, detido no Irã

Quando ficavam cientes de que o pastor estava evangelizando os prisioneiros, as autoridades iranianas o realocavam, mas ele relatou: "Toda vez que eles me mudavam de prisão, aquele parecia um bom momento para evangelizar novamente".

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sábado, 27 Fevereiro de 2016 as 6:20

Apesar dos momentos difíceis que viveu em durante o seu tempo de detenção no Irã - por cerca de 3 anos e meio - o Pastor Saeed Abedini continuou a evangelizar, contribuindo para conversão de 10 prisionairos que decididiram deixar o islamismo para seguir a Cristo, durante o seu primeiro ano de cativeiro, segundo ele mesmo relatou.

"Dez prisioneiros se converteram a Cristo no meu primeiro ano de prisão. Assim que os funcionários do presídio descobriram, a polícia também descobriu e eles me mudaram para outra prisão, onde a situação era pior", disse Abedini à CBN, na última quinta-feira (25).

Ao realocarem Abedini, os oficiais da polícia não sabiam que, na verdade, estavam ajudando a espalhar a mensagem do evangelho - mesmo que não quisessem fazê-lo.

"Toda vez que eles me mudavam de prisão, aquele parecia um bom momento para evangelizar novamente", disse o pastor.

Antes de chegar à sua décima prisão no Irã, em 2012, Abedini sentiu que um grande problema estava se aproximando.

"Eu senti em meu espírito que alguma ameaça estava por vir", relatou.

Abedini, e aqueles a quem ele evangelizou, sofreram em razão da fé cristã.

"Todos os que se tornaram cristãos por meio do meu testemunho / pregação, começaram a ser torturados. Separaram-me deles e nos últimos dois anos, eles me deixaram completamente isolado", contou Abedini.

Às vezes, os carcereiros que vigiavam Abedini davam a entender que sua execução era iminente, mas em seu coração ele sabia que isso não era verdade.

"Nos primeiros seis meses eles sempre me ameaçaram de morte e me disseram: 'Com certeza você vai ser executado pelo o que fez - você converteu 1.000 muçulmanos ao cristianismo' ... mas cada vez que eu orava, o Espírito Santo colocava em meu coração: 'Não, eu ainda tenho algum trabalho a fazer em você", continuou.

Ao longo dos 3 anos e meio de prisão do pastor Abedini, sua esposa, Naghmeh, defendeu intensamente a sua libertação. Conforme relatado pelo Christian Post, em setembro passado (2015), ela tentou se encontrar com o presidente iraniano Hassan Rohani para convencer o governante a libertar seu marido. Ela detalhou seus pedidos em uma carta, partilhada pelo Centro Americano de Direito e Justiça.

"... Nos últimos três anos, a nossa família tem sofrido muito com ausência de meu marido e pai dos meus filhos", escreveu Naghmeh Abedini. "Saeed está atualmente preso na prisão 'Rajaei Shahr', em Gohardasht. Saeed não é um criminoso. Ele não é uma ameaça ao Irã ou à estabilidade de seu governo".


Restauração
Após a tão celebrada libertação de Saeed Abedini, agora o pastor e sua esposa lutam para restaurar o seu casamento, que segundo ambos assumiram, está desgastado.

Em uma postagem feita em seu perfil oficial do Facebook, o pastor Franklin Graham pediu a todos que orassem pela família Abedini.

veja também