Pastores podem ser condenados à morte sob falsas acusações, no Sudão

Os pastores Hassan Abduraheem e Kuwa Shamal devem se apresentar em audiência no tribunal no próximo, 14 de agosto e podem ser condenados à morte.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Sexta-feira, 12 Agosto de 2016 as 9:18

Kuwa Shamal (esquerda) e Hassan Taour estão entre os vários ministros cristãos visados pelo Serviço Nacional de Inteligência do Sudão. (Foto: World Watch Monitor)
Kuwa Shamal (esquerda) e Hassan Taour estão entre os vários ministros cristãos visados pelo Serviço Nacional de Inteligência do Sudão. (Foto: World Watch Monitor)

Dois pastores foram acusados ​​de 'crimes contra a segurança nacional' no Sudão, apesar das poucas provas, dando mais uma indicação de aumento da perseguição contra os cristãos no país. No próximo dia 14 de agosto ambos devem se apresentar em um audiência do tribunal de seu país e podem até ser condenados à morte.

Segundo a Christian Solidarity Worldwide, os pastores Hassan Abduraheem e Kuwa Shamal foram presos em dezembro de 2015 e maio de 2016, respectivamente. Os advogados de ambos já haviam expressado anteriormente sua preocupação com as condições na prisão, afirmando que eles estão em salas pequenas, com pouca ventilação e eletricidade intermitente.

A gama de crimes de que são acusados inclui espionagem, propagação de de notícias falsas e promover uma guerra contra o Estado. No entanto, a CSW diz que as acusações referem-se apenas à tentativa de ajudar o estudante Abdulmonem Abdumawla - que é acusado juntamente com os dois pastores.

Recentemente, os estudantes foram alvejados por autoridades sudanesas e tem havido repressão violenta de manifestações. Abdumawla havia arrecadado dinheiro para um estudante que sofreu queimaduras graves, durante uma manifestação. A iniciativa do rapaz parece ter chamado a atenção das autoridades.

A CSW disse que o pastor Abduraheem foi preso porque ele tinha doado dinheiro para cuidados médicos do estudante, enquanto Shamal enfrenta acusações apenas por ser amigo de Hassan Abduraheem.

As prisões seguem uma série de outras detenções de cristãos no país. No ano passado, os pastores Yat Michael e Peter Yen foram libertados, após acusações semelhantes que foram movidas contra eles. As prisões injustas chamaram a atenção da Anistia Internacional e instituições cristãs que combatem a perseguição religiosa têm lançado campanhas de mobilização para que os pastores sejam absolvidos das acusações.

Desde a secessão do Sudão do Sul em 2011, o presidente do Sudão, Omar al Bashir tem apelado repetidamente para que a lei Shariah seja imposta no país. Ele está sendo atualmente indiciado pelo Tribunal Penal Internacional por genocídio em Darfur.

"Estamos profundamente preocupados ao saber das graves acusações levantadas contra o reverendo Hassan Abduraheem e o Sr. Abdulmonem Abdumawla, simplesmente por tentar ajudar com as despesas médicas de um amigo e contra os pastores Kuwa Shamal Reverendo e Abduraheem, meramente por serem cristãos", disse o chefe executivo da CSW, Mervyn Thomas.

"Estes homens inocentes enfrentam agora a possibilidade de uma sentença de morte com provas que não justificariam uma detenção, e muito menos uma condenação, dada a sua escassez", finalizou.

veja também