Polícia ameaça multar cristãos que insistem em adorar a Jesus publicamente, na Índia

A decisão da polícia surgiu após um caso chocante no qual 25 cristãos foram ameaçados de morte por extremistas hindus e seis deles ficaram gravemente feridos, após uma sequência de espancamentos.

fonte: Guiame, com informações do Morning Star News

Atualizado: Quinta-feira, 30 Junho de 2016 as 9:43

Manifestantes realizam protesto pela liberdade religiosa na Índia. (Foto: Reuters)
Manifestantes realizam protesto pela liberdade religiosa na Índia. (Foto: Reuters)

Um mês depois de uma multidão de hindus da vila no estado de Jharkhand, Índia ter reunido 25 cristãos, amarrado seis deles e tê-los agredidos com pedaços de pau, alguns desses extremistas procuraram um dos cristãos e perguntaram se ele ainda estava adorando a Jesus Cristo.
 
Os extremistas hindus da vila Hunter, no Distrito de Palamu confrontaram o cristão Gunni Bhuiya no dia 14 de junho próximo a uma estrada. Bhuiya lhes disse que ainda acreditava e adorava a Jesus Cristo, então os extremistas hindus voltaram a maltratá-lo e o ameaçaram de morte, segundo relatos de líderes cristãos da região.
 
"Eles disseram a Bhuiya que, como os cristãos ainda estão adorando a Cristo, mesmo depois de terem sido espancados, agora poderiam ser mortos", disse o pastor Sanjay Kumar Ravi à agência internacional de notícias sobre a igreja perseguida, 'Morning Star News'.
 
Os cristãos da área estão vivendo com medo, enquanto os extremistas hindus os proíbem de adorar a Jesus, os boicotam economicamente e ameaçam matá-los. Como se não bastasse isso, a polícia ameaçou multar os cristãos se eles continuaram adorando publicamente a Jesus.
 

Crianças seguram cartazes durante manifestação em favor da liberdade religiosa na Índia. (Foto: Reuters)

Agressão
No dia 8 de maio, extremistas hindus liderados por Dilip Chandra, Ram Chandra Vanshi e Dil Narayan Yadav convocaram 25 cristãos de seis famílias para uma "reunião pública", forçando-os a entrarem em veículos e levando-os para uma escola, nos arredores da aldeia.
 
"Cerca de 100 pessoas de três aldeias vizinhas estavam à espera, quando chegamos ao local. Então começaram a nos dizer que estamos errando se continuarmos a orar a Jesus, que devemos seguir o hinduísmo e realizar a puja (rituais hindus) apenas aos ídolos", disse o Pastor Ravi.
 
Os cristãos se recusaram a aceitar a imposição dos extremistas hindus. Em vez disso, o pastor Ravi começou a compartilhar seu testemunho com a multidão, dizendo que Cristo o tinha curado de uma doença em 2007 e que ele tornou-se um seguidor de Jesus desde então.
 
"O testemunho do pastor enfureceu o público ainda mais", disse o Rev. Akash Nandi ao Morning Star News. "Então os extremistas começaram a espancar o pastor Ravi e outros cinco homens cristãos, enquanto gritavam que eles deveriam renunciar a Cristo ou então seriam mortos".
 
Quando os cristãos se recusaram a renunciar sua fé, os extremistas hindus furiosos ameaçou matar e enterrá-los.
 
"Eles gritavam uns com os outros para trazer querosene para que eles pudessem nos queimar", disse Pastor Ravi.
 
Nandi disse que os cristãos insistiam: "Façam o que quiser, não vamos deixar Cristo por nada".
 
Os extremistas, em seguida, amarraram as mãos e as pernas de seis homens cristãos e chutaram, bateram e os espancaram com pedaços de paus, disseram os líderes. Os agressores então os penduraram de cabeça para baixo e continuaram a espancá-los.
 
Como o abuso continuou por cerca de meia hora, o pequeno Eraj Ram, de 5 anos de idade, pediu aos agressores que parassem de bater em seu pai, Naresh Ram.
 
"Ele cruzou as mãos e pediu-lhes para parar de bater seu pai, no entanto, os extremistas o pegaram pelo colarinho e o jogaram de lado", disse o pastor Ravi.
 
Gritando que eles não devem adorar a Cristo mais, os extremistas, em seguida, derrubaram os homens cristãos no chão e os pisotearam, segundo relatos dos pastores.
 
Todos os homens agredidos estavam sangrando pela boca, as mãos de Naresh Ram foram quebradas e o pastor Ravi sofreu uma lesão interna que o deixou com dor intensa no peito, juntamente com cortes nas mãos e escoriações em grande parte do seu corpo.
 
Os agressores ordenaram aos cristãos que deixassem a vila ou então seriam queimados vivos e teriam suas casas destruídas.

Os cristãos conseguiram voltar para suas casas e deixaram a aldeia na madrugada do dia seguinte. Na aldeia de Ramgarh, tiveram suas feridas tratadas por um médico local.
 

Polícia

Mais tarde naquela manhã, os cristãos foram para delegacia de Ramgarh, relatar o ataque à polícia, mas os policiais se recusaram a registrar o caso e somente no dia 10 de junho chamaram os agressores à delegacia.

Cerca de 50 dos hindus apareceram para se encontrar com três líderes cristãos da área. A polícia forçou os cristãos a assinarem uma declaração de que eles iriam adorar a Jesus somente em suas casas, ou então serão multados em 10.000 rúpias (150 dólares), juntamente com outras punições possíveis.

"Fomos forçados a assinar o vínculo, não temos outra escolha, pois já não outro lugar para ficarmos, exceto nessa aldeia", disse Pastor Ravi.
 
"Nós só podemos orar em nossas casas, com nossas respectivas famílias, os nossos movimentos são acompanhados de perto e os extremistas nos disseram para abandonar a Cristo, ameaçando nos espancar em todas as oportunidades que tivessem", disse o pastor Ravi.

veja também