Por causa do vestuário, estudantes cristãs são presas e açoitadas no Sudão

"Os cristãos são considerados cidadãos de segunda classe. O governo limita estritamente a sua liberdade de religião", diz analista da Portas Abertas

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas

Atualizado: Quinta-feira, 6 Agosto de 2015 as 2:26

Mulher sudanesa
Mulher sudanesa

Após participarem de um culto no Sudão, 12 estudantes cristãs foram presas por estarem vestidas de forma indecente.

O jornal britânico The Guardian informa que as jovens eram da região dos Montes Nuba, tinham entre 17 e 23 anos de idade e usavam calças e saias.

Os oficiais zombaram dela e agiram para colocar em prática o código de vestuário regido pela lei Sharia.

Por ano, cerca de 40 e 50 mil mulheres são presas e açoitadas no Sudão, segundo relatório oficiais.

Ashagrie, analista da Portas Abertas, comenta a amplitude da situação: "Primeiro de tudo, esta é apenas a ponta do iceberg. Os cristãos no Sudão, especialmente as mulheres, enfrentam a discriminação e o preconceito coletivo. Os cristãos são considerados cidadãos de segunda classe. O governo limita estritamente a sua liberdade de religião, de expressão e de reunião, por todos os meios e métodos. Em segundo lugar, isso mostra que o governo do Sudão está implementando uma política rígida. Em 2010, o presidente al Bashir disse que a sharia e o islão seriam suas principais fontes para a Constituição do país”.

 

veja também