Pr. Saeed Abedini tem cirurgia negada e é preso novamente no Irã

Pr. Saeed Abedini tem cirurgia negada e é preso novamente no Irã

Atualizado: Sexta-feira, 14 Março de 2014 as 10:23

Pr. Saeed Abedini tem cirurgia negada e é preso novamente no IrãNa última quarta-feira, 12/03, o pastor Saeed Abedini teve sua cirurgia - considerada delicada e urgente - negada por autoridades iranianas e foi preso novamente no país.
 
"Nesta manhã, guardas iranianos atacaram violentamente o Pastor Saeed e um parente idoso que tinha sido autorizado a visita-lo no hospital. Pastor Saeed foi preso e algemado. Seu parente idoso foi maltratado e expulso do hospital", disse o Centro Americano de Direito e Justiça (ACLJ), que representa a mulher de Abedini e seus dois filhos, nos EUA.
 
De acordo com o grupo, Abedini havia sido transferido há mais de uma semana de prisão de Rajai Shahr para um hospital particular no Irã, onde foi submetido a vários testes devido a sua condição médica preocupante. Embora tenha sido prometido pelas autoridades iranianas que Saeed seria submetido a uma cirurgia para tratar a dor crônica em sua área do estômago - resultado de inúmeros espancamentos prisão - Abedini foi enviado de volta para a prisão sem ser tratado. Os médicos deram-lhe nada mais do que a medicação para dor.
 
Esposa do pastor norte-americano, Naghmeh tem perseverado em uma campanha pela libertação de Saeed da prisão iraniana desde a primeira detenção dele, em julho de 2012, enquanto trabalhava no projeto de um orfanato. 
 
Acusado de pôr em perigo a segurança nacional, Abedini foi condenado posteriormente a oito anos de prisão. O ACLJ lançou diversas petições em seu nome.
 
O ACLJ disse que acredita que o fato mais recente é suspeito, ressaltando que o pastor recebeu uma visita ao hospital quando a Alta Representante da União Europeia, Catherine Ashton, chegou no Irã. Assim que Ashton partiu do país islâmico, no entanto, Abedini foi enviado de volta para a prisão sem receber o tratamento que ele precisava.
 
"A UE tem vindo a levantar fielmente o caso do Pastor Saeed por algum tempo e esta medida vai permitir que as autoridades iranianas relatem que ele estava recebendo tratamento médico se o seu caso foi levantado durante a visita da UE ao Irã", observou a organização.
 
O Centro Americano também reafirma a importância de insistir na pressão sobre as autoridades iranianas neste caso.
 
"Essa virada perturbadora de eventos reitera a necessidade de manter a pressão sobre o Irã. Assim que cedermos à pressão, a situação ficará pior. O Irã não deve ser autorizado a continuar a abusar e maltratar o Pastor Saeed fora dos holofotes públicos. O governo iraniano injustamente o aprisiona e nega-lhe cuidados médicos necessários, porque ele é um cristão. Cada dia longe da família e longe da atenção dos médicos é outro abuso dos direitos humanos", destacou.
 
Mais de 192 mil pessoas em todo o mundo assinaram uma petição, pedindo ao Irã que liberte Abedini.
 
Com informações do Christian Post
 
*Tradução por João Neto - www.guiame.com.br

veja também