Presidente da China diz que comunistas devem ser "ateus inflexíveis" para "comandarem cristãos"

"Devemos orientar e educar os círculos religiosos e seus seguidores com os valores socialistas centrais", acrescentou o presidente chinês, Xi Jinping, durante uma conferência.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 25 Abril de 2016 as 1:51

Presidente da China, Xi Jiping (Foto: Irish Times)
Presidente da China, Xi Jiping (Foto: Irish Times)

O presidente chinês, Xi Jinping disse aos membros do Partido Comunista que eles devem ser "ateus inflexíveis" no comando dos cristãos e outros grupos religiosos no país.

"Os grupos religiosos ... devem aderir à liderança do Partido Comunista da China (PCC)", disse Xi aos altos funcionários do partido em uma conferência, conforme relatado pela agência oficial de notícias Xinhua.

Ele acrescentou que os comunistas devem ser "ateus marxistas inflexíveis", que recebem a missão de "resolutamente proteger o país de infiltrações do exterior através de meios religiosos".

Xi argumentou que a China concede aos seus cidadãos a "liberdade de crença", enquanto, ao mesmo tempo se "opõe à ideologia extremista" e prometeu continuar seguindo esse princípio.

"Devemos orientar e educar os círculos religiosos e seus seguidores com os valores socialistas centrais", o presidente chinês acrescentou.

Grupos de vigilância de perseguição religiosa e de Direitos Humanos têm continuamente criticado o tratamento que as minorias religiosas têm recebido China, alegando que o Partido Comunista promove a perseguição generalizada contra as religiões que considera uma ameaça.

China Aid e outros grupos acusaram o governo de Xi de visar especificamente cristãos em uma campanha de demolição cruz em curso, que tem visto centenas de cruzes telhados e igrejas demolidas ao longo dos últimos anos, levando à prisão de vários pastores e activistas dos direitos humanos.


Violência e intolerância
Na semana passada, a organização 'China Aid' informou que uma equipe designada pelo governo para demolir igrejas tentou enterrar vivos um pastor e sua esposa, na província de Henan, centro da China. Os dois líderes cristãos tinham tentado impedir a destruição de sua igreja.

Enquanto o líder da igreja, Li Jiangong, conseguiu escapar, sua esposa, Ding Cuimei, acabou morrendo sufocada sob os escombros.

O presidente China Aid, Bob Fu disse que o "intimidar e enterrar viva, Ding Cuimei, uma mulher cristã pacífica e devota, foi um ato cruel, um assassinato".

Fu acrescentou: "Este caso é uma grave violação dos direitos à vida, à liberdade religiosa e ao Estado de Direito. As autoridades chinesas devem prender imediatamente os assassinos responsáveis ​​e tomar medidas concretas para proteger a liberdade religiosa dos membros desta igreja".

Fu disse anteriormente ao site internacional 'Christian Post', que apesar das tentativas do governo para negar a perseguição em curso, o Partido Comunista está muito preocupado com o número crescente de cristãos.

"A liderança de topo está cada vez mais preocupada com o rápido crescimento da fé cristã, sua presença pública e sua influência social", disse Fu, em fevereiro.

"É um temor político do Partido Comunista, enquanto o número de cristãos no país supera em muito os membros do Partido Comunista", acrescentou.

 

veja também