Reivindicações da Copa

Assumimos o compromisso de respeitar o brasileiro que preferirá torcer, tratar com hospitalidade o turista estrangeiro e lutar pela preservação da paz. Só não peçam para ficarmos calados

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quinta-feira, 29 Maio de 2014 as 10:18

Rio de Paz - comunidade

O Rio de Paz não sairá das ruas durante o período da Copa. Neste momento, estamos nos preparando para manifestações em diferentes cidades do Brasil. A realização dessa competição esportiva com dinheiro público e na forma como foi conduzida pela Fifa e pelo poder público brasileiro são vistas por nós como problema moral.

Como não queremos perder o nosso tempo, indo às ruas sem propósito, apresentaremos às autoridades públicas brasileiras, à Fifa e aos candidatos à eleição presidencial deste ano as seguintes reivindicações:

1. Exigimos que União, Estados e Municípios peçam perdão ao povo brasileiro:

- Por terem levado o brasileiro a crer que a Copa seria realizada com verba da iniciativa privada.

- Por terem investido fortuna de dinheiro público numa competição esportiva.

- Por terem gastado mais com a Copa do que o que havia sido anteriormente anunciado.

- Por terem realizado a Copa com dinheiro do público sem consultar o povo.

- Por terem menosprezado a consciência social do povo brasileiro, que até agora não entendeu como a vontade política que falta para o investimento em saúde, segurança e educação manifestou-se na realização da Copa.

- Por terem permitido superfaturamento na construção dos estádios de futebol.

2. Exigimos que seja observado um minuto de silêncio, no primeiro jogo do Brasil, em memória dos que morreram na construção dos estádios para a Copa.

3. Exigimos que, tal como houve na realização da Copa, metas mensuráveis para os próximos quatro anos sejam estabelecidas visando a melhoria da saúde, educação e segurança pública do país. Queremos escolas e hospitais tão concretos quanto as arenas esportivas que foram construídas.

4. Exigimos que o povo tenha o direito de fazer "Pressão Fifa" para "Padrão Fifa" nos serviços públicos, podendo assim fazer cobranças enérgicas e democráticas, tal como os dirigentes da Fifa fizeram ao longo dos últimos anos.

5. Exigimos que nunca mais fortuna de dinheiro público seja gasta em grandes eventos sem que o povo brasileiro seja consultado.

6. Exigimos que a Fifa declare objetivamente quanto -do lucro astronômico que obterá nesta Copa-, deixará no Brasil, como expressão de uma responsabilidade social "Padrão Fifa".

Em todos os protestos que realizaremos essas reivindicações serão apresentadas. Assumimos o compromisso de respeitar o brasileiro que preferirá torcer, tratar com hospitalidade o turista estrangeiro e lutar pela preservação da paz.

Só não peçam para ficarmos calados. Num país no qual 50 mil pessoas são assassinadas por ano, crianças não têm acesso a educação de qualidade, médicos não dispõe de condições dignas de trabalho -sem mencionar o fato de ser a sétima economia do mundo e estar entre os países de pior Índice de Desenvolvimento Humano do planeta-, governante encontrar tempo para alugar a cabeça com Copa e realizá-la com dinheiro que poderia ter sido investido no essencial é inaceitável.

Protestar nessa Copa não é ser chato, antipatriota ou oportunista político. É aproveitar oportunidade histórica rara a fim de ajudar o Brasil a ser campeão do mundo em justiça social.


- Antonio Carlos Costa
Rio de Paz

Ps. Foto batida pelo Rio de Paz, na favela de Manguinhos, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Essa comunidade pobre dista 4km do local onde será realizada a final da Copa do Mundo.

veja também