René Padilla: "Sem evangelização não há prática da missão integral cristã"

Sem a Bíblia, não há possibilidade de TMI. Como já disse antes, a TMI é uma aproximação à fé cristã que tenta relacionar a revelação da trindade de Deus com a totalidade da criação e com cada aspecto da vida humana

fonte: Ultimato

Atualizado: Sexta-feira, 29 Agosto de 2014 as 1:56

René PadillaMestre quando de trata de Missão Integral, René Padillha respondeu a algumas perguntas do Portal Ultimato sobre o assunto.

Confira a entrevista na íntegra:

1. O que é a Teologia da Missão Integral (TMI) e o que a torna relevante?

René Padilla - A TMI não é uma teologia com a pretensão de abarcar todos os temas de um sistema teológico completo, como é o caso, por exemplo, da “Instituição da Religião Cristã”, de João Calvino. É, na verdade, uma aproximação à fé cristã que tenta relacionar a revelação do Deus trino com a totalidade da criação e com todo aspecto da vida humana, e tem como propósito a obediência da fé para a glória de Deus.

2. A TMI é uma versão protestante da Teologia da Libertação?

René Padilla - Depende de como se define a Teologia da Libertação, da qual há várias versões. É “protestante” ao afirmar várias das ênfases fundamentais da Reforma Protestante do século XVI (a clássica e a anabatista). Ao mesmo tempo, dá muita importância à dimensão histórica da revelação de Deus e à dimensão contextual da experiência da salvação por meio de Cristo Jesus. Nisto coincide com a aproximação teológica de alguns dos autores que se identificam como teólogos da libertação e, consequentemente, enfocam a Palavra de Deus como “proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça [incluindo necessariamente seu aspecto social], para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra” (2 Timóteo 3.16-17).

3. Qual o valor do evangelismo na TMI?

René Padilla - Sem evangelização como comunicação oral do Evangelho não há prática da missão integral cristã. Esta abarca as dimensões da vida cristã: o ser, o fazer e o dizer. Ao mesmo tempo, a partir desta perspectiva, temos de afirmar que a evangelização não pode ser reduzida à comunicação oral do Evangelho, já que o testemunho cristão exige que o que os cristãos digam (ou proclamam) seja ratificado pelo que são e pelo que fazem.

4. Qual o valor da responsabilidade social na TMI?

René Padilla - Alinhado com o que disse no parágrafo anterior, sustento que a ação cristã (o que se faz em nível pessoal e social) é um aspecto essencial do testemunho cristão. As boas obras não são opcionais para nós que cremos que, embora não sejamos salvos pelas obras, “somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Efésios 2.10).

5. Qual o valor da Bíblia na TMI?

René Padilla - Sem a Bíblia, não há possibilidade de TMI. Como já disse antes, a TMI é uma aproximação à fé cristã que tenta relacionar a revelação da trindade de Deus com a totalidade da criação e com cada aspecto da vida humana. Por meio da Bíblia, mediante a iluminação do Espírito Santo, entramos em contato com a revelação especial de Deus, cuja culminância se dá na pessoa e na obra de Jesus Cristo.

6. A TMI é um movimento latino-americano?

René Padilla - É um movimento latino-americano só no sentido de que especialmente (mas não exclusivamente) na América Latina, pela graça de Deus, nas últimas décadas, houve um ressurgimento de temas teológicos fundamentais presentes em teólogos e pregadores ao longo de toda a história da igreja – temas tais como a íntima relação entre o amor a Deus e o amor ao próximo, “shalom” como o propósito de Deus para a vida humana, e o lugar da justiça, da misericórdia e da humildade na vida daqueles que confessam o seu nome. Lamentavelmente, devido em grande parte ao individualismo da era moderna, tais temas tinham sido esquecidos com grande frequência em setores evangélicos dos “países protestantes” que enviaram muitos dos missionários ao redor do mundo, incluindo o nosso continente. Na providência de Deus, tais temas recuperaram, em grande parte, o seu lugar em nosso continente na segunda metade do século XX, especialmente em círculos da Fraternidade Teológica Latino-americana.

7. A arte cristã pode dialogar com a TMI?

René Padilla - Toda arte sempre mantém uma relação, maior ou menor, com a criação de Deus, e esta, por sua vez, merece atenção por parte da arte cristã. Isto permite que a TMI se ocupe da arte como expressão do reconhecimento da soberania de Deus sobre a totalidade da criação e sobre todos os aspectos da vida humana.

8. A TMI tem um método científico definido?

René Padilla - Mais que ciência com “um método científico definido”, a TMI é um diálogo entre a revelação de Deus e a vida humana em suas múltiplas facetas. Para uma compreensão mais elaborada de tais facetas da vida humana, as ciências humanas (por exemplo, a antropologia, a sociologia, a economia e a política) são de grande ajuda. Por esta razão, a TMI se esforça para conseguir que o diálogo com a revelação seja um diálogo interdisciplinar.

9. Qual a relação da TMI com o Movimento Lausanne?

René Padilla - Não há uma relação “oficial” entre a TMI e o Movimento de Lausanne, mas, indubitavelmente, a influência da TMI no Movimento de Lausanne cresceu admiravelmente ao longo dos anos. O parágrafo 5 do Pacto de Lausanne, que surgiu de Lausanne I, em 1974, afirma que, já que Deus é Criador e Juiz de todos os seres humanos, “devemos partilhar o seu interesse pela justiça e pela conciliação em toda a sociedade humana, e pela libertação dos homens de todo tipo de opressão”; que “a evangelização e o envolvimento sócio-político são ambos parte do nosso dever cristão”; que “a mensagem da salvação implica também uma mensagem de juízo sobre toda forma de alienação, de opressão e de discriminação, e não devemos ter medo de denunciar o mal e a injustiça onde quer que existam” e que “a salvação que alegamos possuir deve estar nos transformando na totalidade de nossas responsabilidades pessoais e sociais”. Em grande medida devido à penetração da TMI em círculos evangélicos em nível global nas últimas décadas, estas afirmações, junto com muitas outras do mesmo teor, fornecem a substância fundamental do “Compromisso da Cidade do Cabo”, que surgiu de Lausanne III, em 2010.

10. Qual o valor da contribuição de John Stott para a consolidação da TMI?

René Padilla - John Stott, graças à transcendência mundial do seu ministério, foi usado por Deus, especialmente a partir de 1974, para abrir a porta do mundo evangélico para que a TMI rompesse a resistência que encontrou por muitos anos nos “países protestantes” e, pouco a pouco, recebesse o reconhecimento como teologia autenticamente evangélica de que hoje goza em nível global, especialmente na América Latina, na Ásia e na África.

Tradução: Wagner Guimarães

 

veja também