Ronaldo Lidório fala sobre a evangelização de indígenas: "Jamais será alienação ou imposição de credo"

Em texto, pastor mostra que na evangelização não há imposição de valores como na catequese

fonte: Guiame, com informações da Ultimato

Atualizado: Quinta-feira, 7 Maio de 2015 as 9:58

indígenas
indígenas

Ronaldo Lidório, doutor em antropologia e missionário da Agência Presbiteriana de Missões Transculturais e da Missão AMEM, escreveu um texto a respeito da situação dos indígenas no Brasil e dos desafios na evangelização desses povos.

No início do texto, ele fala das transformações que os indígenas passam, principalmente em se tratando das dificuldades que eles vivem com a urbanização.

Lidório concorda que são necessárias mudanças públicas, mas que para isso é preciso primeiro que a visão sobre quem são os indígenas seja mudada, pois eles frequentemente são vistos como selvagens ou heróis, e só.

O pastor frisa que a evangelização desse povo também é necessária, mas lembra que isso nada tem a ver com alienação e ou com imposição do fim da cultura indígena.

"O evangelho, como encarnado e exposto por Jesus Cristo, jamais será motivo de alienação social ou imposição de credo, seja para indígenas ou não indígenas. Ao contrário, é a verdade que dá sentido à vida, liberta do pecado e reconstrói a esperança", reitera.

No texto, Ronaldo Lidório diz que o compromisso da sociedade evangélica é respeitar e promover o uso das línguas tradicionais indígenas e trabalhar para que tenham uma vida digna, seja em suas terras tradicionais ou nos centros urbanos.

Além disso, o pastor faz questão de diferenciar evangelização de catequese. Essa segunda, sinônimo de imposição de valores.

"Enquanto a evangelização se dá com os códigos do ouvinte (língua materna e cultura), a catequese ocorre com os códigos de quem transmite. A evangelização se concentra na mensagem do Evangelho a ser transmitida, enquanto a catequese se centraliza nos símbolos e estrutura da igreja que o faz. Se por um lado a evangelização tem como alvo o povo e o conhecimento de Cristo, a catequese visa a igreja-instituição e seu fortalecimento político religioso."

"A evangelização é pessoal e relacional, uma vez que utiliza de processos de conversação, exposição e discipulado, que visa o entendimento e aplicação da mensagem. A catequese é impositiva e distanciada, pois ocorre no ensino unilateral e em um ambiente de transmissão sem conversação, puramente litúrgico", acrescenta.

 

veja também