"Toda vez que atacam uma igreja, o número de conversões dobra", diz líder cristão do Egito

Um ano após ataques terroristas simultâneos a igrejas do Egito, líderes cristãos locais testemunham como a igreja tem ressurgido mais forte.

Fonte: Guiame, com informações do God ReportsAtualizado: segunda-feira, 16 de abril de 2018 12:26
Segundo relatório anual do Departamento Internacional de Liberdade Religiosa dos EUA, o Egito ainda enfrenta uma intensa intolerância religiosa. (Foto: Middle East Observer)
Segundo relatório anual do Departamento Internacional de Liberdade Religiosa dos EUA, o Egito ainda enfrenta uma intensa intolerância religiosa. (Foto: Middle East Observer)

Um ano depois dos terríveis ataques suicidas a igrejas no Cairo e na cidade de Tanta, no norte do país, cristãos egípcios dizem que ainda se sentem como alvos do terrorismo e da intolerância religiosa, mas ficaram impressionados com a maneira como a igreja cresceu após a perseguição.

Os ataques deixaram 45 mortos e 126 feridos na Igreja de São Jorge, na cidade de Tanta, no norte, e na igreja copta de São Marcos, no Cairo.

“A boa notícia é que nunca tememos bombas ou morte. Enquanto estivermos comprometidos com Jesus, toda vez que bombardearem a igreja, continuaremos vendo o número de conversões dobrar”, disse o reverendo Dr. Andrea Zaki Stephanous ao Premier.

Rev. Stephanous reconheceu que ainda há um alto risco no simples fato de sair de casa para ir à igreja, mas prefere continuar confiando na proteção divina.

“Quando a segurança sabe que estou indo para uma certa igreja, haverá dupla segurança, mas você nunca sabe. Você pode esperar a qualquer momento que alguém venha com uma bomba e crie um massacre. Então todos os dias confiamos em Deus e vamos à igreja mesmo assim”, afirmou.

O Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelos dois ataques em 2017, quando uma bomba plantada debaixo de um banco matou 29 fiéis, segundo o premiê.

Todos os ataques do Estado Islâmico no país têm sido destinados à minoria ortodoxa copta, mas os cristãos em outras denominações estão atentos. O Rev. Sameh Hanna, pastor associado da Igreja Evangélica no Cairo, disse ao premiê que ele tenta manter uma perspectiva da eternidade.

“Temos dois tipos de notícias - notícias terrenas, que são muito feias, muito desanimadoras e acho que no Ocidente, você só recebe notícias terrenas - um bombardeio aqui ou ali. Mas há novidades celestiais. Nós sabemos o que está acontecendo espiritualmente, quando uma igreja é atacada. Nós vemos coisas que nem todo mundo está vendo. Nós vemos coisas sobre as quais vocês não estão ouvindo. Vemos a multidão conhecendo e se entrega a Cristo de todas as origens, e isso traz alegria para nós”, afirmou.

Surpreendentemente, muitas igrejas viram um aumento na frequência após os ataques da igreja, de acordo com o premier.

O Padre Kyrillos Fathy, da Igreja Copta de São Marcos, escapou por pouco do bombardeio em sua igreja. “Mesmo que o incidente tenha sido muito terrível e nos deixou emocionalmente vulneráveis, acreditamos na Bíblia e no verso da Bíblia que diz que tudo funciona para o bem”.

Siga-nos

Mais do Guiame