Um princípio no mandamento do jubileu: A luta pela erradicação do estado de pobreza

Não há, em nossa realidade, nenhum sistema sócio-político-econômico-social que possa implantar tudo o que estava preconizado no jubileu, que deveria se repetir a cada 50 anos, para garantir a equidade em Israel

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Sexta-feira, 10 Outubro de 2014 as 11:56

pobrezaMateus 11:3-6 " És tu aquele que estava para vir ou havemos de esperar outro? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Ide e anunciai a João o que estais ouvindo e vendo: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres está sendo pregado o evangelho."

João, o Batista, na prisão, teve dúvida, pediu a seus discípulos que conferissem a messianidade de Jesus.

O Senhor, não precisava fazê-lo, mas, anuiu, e descreveu o que estava realizando, prova de que era o grande libertador.

Entre as suas credenciais estava a pregação do evangelho aos pobres, portanto, o anúncio da libertação destes, pela chegada do Reino de Justiça; o Reino de Deus.

Pobre naquela fala significava a parte do povo de Deus que, por causa da desobediência dos líderes de Israel de promover o jubileu, tinham perdido acesso à terra, à liberdade e à remissão de suas dívidas.

Como consequência de tanta desobediência, Israel, agora, não passava de um povo dominado, com líderes cooptados pelos opressores.

Não há, em nossa realidade, nenhum sistema sócio-político-econômico-social que possa implantar tudo o que estava preconizado no jubileu, que deveria se repetir a cada 50 anos, para garantir a equidade em Israel.

Há, contudo, no mandamento do jubileu um princípio: a demanda imperativa de luta pela erradicação do estado de pobreza.

Como diz o dístico da organização que presido: "Como seguidores de Jesus Cristo e súditos de seu Reino, lutamos por um mundo que não tolere a pobreza."

É por essa lógica que norteio o meu voto.


- Ariovaldo Ramos

 

veja também