300 cristãos formam milícia armada nas Filipinas em defesa contra jihadistas islâmicos

A maioria dos membros do grupo são agricultores. Eles procuram defender suas terras e famílias das atrocidades dos Combatentes da Liberdade Islâmica Bangsamoro.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 22 Janeiro de 2016 as 5:21

Rebeldes da Frente de Libertação Islâmica nas Filipinas
Rebeldes da Frente de Libertação Islâmica nas Filipinas

A nova milícia que compreende cerca de 300 cristãos armados surgiu no país em que a maioria são muçulmanos. Na região central de Mindanao que é bastante conflituosa e fica localizada no sul das Filipinas. Eles afirmam que estão treinando para lutar contra grupos terroristas locais e aqueles que afirmam ter lealdade ao Estado Islâmico.

Declarando-se como "Pulahan", que se traduz como "Guerreiros Vermelhos de Deus" ou "Defensores Vermelhos de Deus", o grupo fez sua primeira aparição perante a mídia nesta semana. De acordo com relatórios, seus soldados queimaram uma bandeira do Estado Islâmico, também conhecida como ISIS ou ISIL.

"Não somos uma força de assalto. Nós apenas queremos defender a nossa terra", disse à CNN Filipinas um homem de meia-idade, que se identificou como o irmão Asiong.

A maioria dos membros do grupo são agricultores. Eles procuram defender suas terras e famílias das atrocidades dos Combatentes da Liberdade Islâmica Bangsamoro, ou BIFF, um grupo dissidente da “Frente Moro de Libertação Islâmica”, ou MILF, que já matou civis em seus ataques contra as comunidades locais, de acordo com o Inquirer.

"Estamos sempre sob ataque mesmo se estamos apenas trabalhando em nossas fazendas. Somos obrigados a nos armar. Não quero morrer sem fazer alguma coisa",disse Asiong. Ele acrescentou que os militares não estão sempre na sua área para protegê-los contra os ataques dos jihadistas.

“Pulahan” era o nome de um grupo de vigilantes da maioria de agricultores que existiam em Mindanao na década de 1990. Eles lutavam contra comunistas e grupos rebeldes. Não está claro se os membros do novo grupo são todos católicos. As Filipinas é um país de maioria católica.

O porta-voz da BIFF, Abu Misry Mamah, reagiu à formação do grupo cristão através da emissão de um aviso. "Se um civil está armado e é tolerado pelas autoridades, ele se torna parte do governo, e, portanto, deve ser considerado nosso inimigo", disse à CNN Filipinas.

As autoridades locais disseram que os civis não estão autorizados a pegar em armas. "O que importa para nós é que o governo deve determinar com carácter definitivo que possui essas terras", ressaltou Asiong. "Será que estes pertencem a eles (os requerentes Maguindanaon) ou para nós? Estamos dispostos a transformar essas terras para eles, contanto que eles não recorram à violência. Estamos dispostos a cumprir assentamentos que percorra os processos legais".

No final de dezembro, um vídeo de três minutos foi publicado on-line pelo Ansar Khalifa Filipinas, um grupo que acredita estar abrigando pelo menos três extremistas do Sudeste Asiático que regressaram depois de lutar com Estado Islâmico na Síria, de acordo com o Strait Times.

O vídeo mostra um grupo de homens que levam a bandeira do Estado Islâmico, exortando os muçulmanos a viajar para a Síria e lutar pelo grupo terrorista. Ele também mostrou o que parecia ser um campo de treinamento no meio de uma selva na ilha de Mindanao.

veja também