Adolescente ganha na justiça o direito de manter termo "perante Deus" no Juramento de Fidelidade

"A mensagem de hoje é alta e clara: ‘Deus’ não é uma palavra suja", observou Eric Rassbach, o advogado da organização Fundo Becket para a Liberdade Religiosa.

fonte: Guiame, com informações de The Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 10 Fevereiro de 2015 as 9:25

 

A adolescente Samantha Jones, de Nova Jersey, EUA, declarou vitória no tribunal na sexta-feira (7). Ateus abriram uma ação judicial para remover termo "perante Deus" no Juramento de Fidelidade à Bandeira em sua escola, e o processo foi extinguido pelo juiz estadual.

Samantha comemorou o que descreve como o direito dos seus colegas para manter recitar o juramento de lealdade na sua totalidade, de acordo com um comunicado do Fundo Becket para a Liberdade Religiosa , que representou o seu.

"Eu estou muito grata a corte, que decidiu que os alunos não deve ser silenciados só porque algumas pessoas se opõem a valores americanos atemporais", disse a adolescente.

Em abril do ano passado, o setor jurídico do órgão Associação Humanista Americana entrou com uma ação contra o colégio Highland Regional, porque a família de um aluno se recusou a ter o filho dizendo "perante Deus" em juramento à bandeira.

"Desde que eu era pequena, eu recitava o Juramento de Fidelidade porque resume os valores que tornam o nosso país grande. A frase "perante Deus" protege todos os americanos – incluindo os ateus – porque lembra que o governo que não pode tirar os direitos humanos básicos, porque não criá-los".

"A mensagem de hoje é alta e clara: ‘Deus’ não é uma palavra suja", observou Eric Rassbach, o advogado da organização Fundo Becket para a Liberdade Religiosa. "O Juramento de Fidelidade não é uma oração, e recitá-lo não pode criar uma religião oficial do Estado".

veja também