"Alá não é o nosso Deus", diz placa em frente a uma igreja batista dos EUA

A mensagem foi colocada na placa em frente ao templo por iniciativa do pastor Michael Harrington. "Eu não sou politicamente correto. Eu nunca fui politicamente correto, mas eu acho que estou biblicamente correto, e é isso que importa para mim", diz.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quinta-feira, 9 Junho de 2016 as 1:58

Instalada em frente à igreja, a placa diz "Acordem, cristãos. Alá não é o nosso Deus. Maomé não é maior do que Jesus". (Imagem: KATU)
Instalada em frente à igreja, a placa diz "Acordem, cristãos. Alá não é o nosso Deus. Maomé não é maior do que Jesus". (Imagem: KATU)

Uma pequena igreja batista de Hood River, Oregon (EUA) instalou em seu terreno, uma placa para enfatizar que "Alá não é o nosso Deus" e que o profeta islâmico "Maomé não é maior que Jesus".

Em outro lado da placa, a igreja também aponta que o Alcorão é "apenas um livro comum", enquanto a Bíblia "é a Palavra de Deus".

As mensagens, posicianadas do lado de fora de do templo da Igreja Batista Missionário Belmont, dizem: "Acordem, cristãos. Alá não é o nosso Deus. Maomé não é maior do que Jesus" - como mostra a imagem acima.

Do outro lado da placa, a mensagem escrita diz: "Somente a Bíblia é a Palavra de Deus. O Corão é apenas mais um livro".

As mensagens foram colocadas na placa por iniciativa do Pastor Michael Harrington, 74, líder da igreja, que está defendendo o movimento e diz que a iniciativa é bíblica.

No entanto, várias pessoas, incluindo o prefeito da cidade, estão protestando contra as mensagens na placa.

O residente local, Eric Cohn viu as mensagens na placa, enquanto andava de bicicleta pela área.

"Eu literalmente tive que parar e voltar para ter certeza que eu vi aquela placa. Eu me senti profundamente ofendido e chateado com isso", disse Cohn.

Cohn escreveu uma carta a um jornal local por causa da preocupação.

O prefeito de Hood River, Paul Blackburn disse que se sentiu "muito irritado e triste" com a mensagem.

"Estou aborrecido que nesta temporada política haja um caso como este acontecendo. Eu acho que as normas deste tipo de comportamento são como: 'oh não há problema em ser um fanático agora", disse ele.

Defendendo a exposição das mensagens na placa em frente à sua igreja, o pastor Michael Harrington reconheceu que a iniciativa pode não ser "politicamente correta", mas é "biblicamente correta".

"Eu não sou politicamente correto. Eu nunca fui politicamente correto, mas eu acho que estou biblicamente correto, e é isso que importa para mim", disse ele.

O pastor disse que não odeia os muçulmanos, mas lembrou que o conceito de que os muçulmanos e os cristãos adoram o mesmo Deus é errado.

"Não é nada contra qualquer denominação particular. É apenas o fato de que eu tenho ensinado e continuarei a ensinar que eu tenho um Deus, um caminho de salvação e uma Bíblia, que são sagrados", disse ele.

Ele disse ao jornal The Oregonian que "as pessoas são enganadas e ficam confusas sobre o verdadeiro Deus".

"Eu só estava lembrando que há diferenças entre Alá e Deus", explicou.

veja também