Alemanha reconhece o genocídio de cristãos armênios, durante a 1ª Guerra

O grupo de direitos humanos 'Em Defesa dos Cristãos' (IDC) elogiou a decisão do parlamento alemão, argumentando que também se solidariza com os cristãos e outras pessoas que estão sendo perseguidas em todo o Oriente Médio.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 3 Junho de 2016 as 2:43

Armênios relembram massacre de 1,5 milhão durante a 1ª Guerra Mundial. (Foto: Reuters)
Armênios relembram massacre de 1,5 milhão durante a 1ª Guerra Mundial. (Foto: Reuters)

O genocídio de 1,5 milhão de armênios por turcos otomanos durante a 1ª Guerra Mundial - muitos deles cristãos - foi reconhecido pelo Parlamento alemão em um movimento que levou a Turquia a destituir embaixador alemão em seu território.

A 'BBC News' informou na última quinta-feira (2) que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan destituiu o embaixador do da Alemanha em seu país e ameaçou entrar com ação adicional.

"Faremos o que for necessário para resolver esse problema", disse Erdogan.

O grupo de direitos humanos 'Em Defesa dos Cristãos' (IDC) elogiou a decisão do parlamento alemão, argumentando que também se solidariza com os cristãos e outras pessoas que estão sendo perseguidas em todo o Oriente Médio.

"O reconhecimento do massacre de armênios em 1915 e outros cristãos por forças otomanas como um 'genocídio' chama a comunidade internacional à consciência em face do genocídio em curso travado atualmente contra os cristãos, Yazidis, e outras minorias religiosas pelo Estado Islâmico", aponta a declaração de Kirsten Evans, Diretora Executiva do 'IDC'.

"Com o reconhecimento dos alemães sobre o crime, mais de 25 países reconheceram oficialmente o genocídio armênio. A campanha brutal de religiosos e de limpeza étnica ocorreu entre 1915 e 1917, tendo como alvo armênios, assírios, gregos e outras comunidades cristãs vulneráveis, e assassinar mais de 1 milhão de homens, mulheres e crianças", acrescentou Evans.

Ela observou que os cristãos estão sendo alvejados por grupos extremistas em todo o mundo, e disse que é importante reconhecer o genocídio armênio, com o objetivo de "reforçar a consciência moderna" e para "proteger o mundo da repetição de horrores semelhantes".

O Estado moderno da Turquia, que se formou na sequência da queda do Império Otomano após a 1ª Guerra Mundial, recusa-se a descrever a matança de armênios como um "genocídio". Ele diz que os confrontos étnicos levaram à mortes, mas argumenta que os números ficaram abaixo de 1,5 milhão.

Grupos de Direitos Humanos e de vigilância de perseguição religiosa têm continuamente apelado ao mundo ocidental para reconhecer os fatos e honrar as comunidades que foram massacradas.

"O 'IDC' convida toda a comunidade internacional a reconhecer a realidade histórica do genocídio praticado pelo império otomano sobre os armênio, assírios, gregos e outras comunidades cristãs, além de trabalhar incessantemente para proteger as minorias religiosas que sofrem atrocidades semelhantes hoje", disse Evans.

O mundo lembrou os 100 anos do genocídio de 1,5 milhão de armênios em abril de 2015, que trouxe os líderes europeus em conjunto de todo o espectro político, incluindo o presidente francês François Hollande e o presidente russo, Vladimir Putin.

Como o IDC apontou, presidente dos EUA, Barack Obama recusou-se chamadas classificar o massacre de armênio como genocídio, atento para não prejudicar o relacionamento entre os EUA e a Turquia, um aliado próximo, embora ele reconheça os abusos dos direitos humanos que foram cometidos na época.

A chanceler alemã, Angela Merkel, entretanto, procurou acalmar as tensões entre seu país e a Turquia na sequência da decisão do Parlamento e disse: "Há muito que se liga a Alemanha à Turquia e mesmo se nós tenhamos uma diferença de opinião sobre uma questão individual, a amplitude de nossos laços, a nossa amizade, nossos laços estratégicos são grandes".

 

veja também