Angela Merkel diz que imigrantes podem ajudar Alemanha a aprender mais sobre o cristianismo

A chanceler afirmou que a familiaridade do país com mais de uma cultura tem sido um "plus incrível” em um mundo cada vez mais globalizado e que está se encolhendo.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Terça-feira, 8 Dezembro de 2015 as 10:30

Angela Merkel falou dos benefícios do multiculturalismo para a compreensão do cristianismo. Imagem: Reuters
Angela Merkel falou dos benefícios do multiculturalismo para a compreensão do cristianismo. Imagem: Reuters

“A imigração pode enriquecer a Alemanha para aprender mais sobre o cristianismo”. A frase foi dita pela Chanceler Angela Merkel na última segunda-feira (7), atentando para a crescente inquietação em sua coalizão sobre o afluxo de quase um milhão de migrantes este ano na Alemanha.

Merkel elogiou a contribuição dos "Gastarbeiter" (trabalhadores convidados) para a economia Alemã. Eles vieram nas décadas pós-guerra. A líder falou isso um dia depois da “Frente Nacional” de extrema-direita conseguiu uma vitória histórica na França.

"Muitos de vocês têm experiências as quais não temos como oferecer", disse ela aos Gastarbeiter e seus descendentes. Muitos deles são de origem muçulmana e vieram da Turquia e Balkans, em um evento que marca o 60º aniversário de um programa que impulsionou a economia da então Alemanha Ocidental enquanto ela é transformada em uma sociedade mais multi-étnica.

A chanceler ainda afirma que a familiaridade do país com mais de uma cultura tem sido um "plus incrível” em um mundo cada vez mais globalizado e que está se encolhendo, e acrescentou: “Ninguém deve esquecer as suas raízes".

Pouco depois de Merkel ter falado, o ministro do interior, Thomas de Maizière disse em entrevista coletiva que cerca de 965.000 pessoas que precisam de asilo havia chegado na Alemanha este ano a partir do final de novembro.

A Alemanha está levando a maioria dos migrantes que fogem para a Europa por causa da guerra e privação no Oriente Médio, África e Ásia. A nação aguarda em torno de um milhão para chegar este ano.

Muitas autoridades locais estão lutando para lidar com esse fluxo e alguns alemães se preocupam com as implicações sociais e culturais a longo prazo de tal imigração em grande escala.

Filha de Pastor

Merkel, filha de um pastor protestante que cresceu na Alemanha Oriental comunista, se manteve fiel à sua mensagem para acomodar os refugiados, apesar da forte pressão dentro de seu governo de coalizão para deter o fluxo.

Ela descreveu a integração como um processo de duas vias e uma "união" dos migrantes e aqueles já vivem na Alemanha. "Se alguém tem de olhar novamente para a Bíblia, porque se fala com alguém sobre o Alcorão, que não é uma coisa ruim, como os alemães não são tão bem versados na Bíblia como fazem às vezes para fora", acrescentou.

"A curiosidade nos enriquece"

A crise de refugiados reavivou um suporte para o partido anti-imigrantes AfD, que ficou em terceiro lugar em nível nacional, pela primeira vez no mês passado com 10,5% em uma pesquisa. Apesar das preocupações sobre o afluxo de refugiados, Merkel não mostra nenhum sinal de perda de controle sobre o poder.

Apesar de ter dito em 2010 que o multiculturalismo na Alemanha tinha sido um fracasso abjeto, hoje existe uma reviravolta em sua mensagem ao defender os benefícios da imigração. "Temos de aprender, também, como aqueles que viveram na Alemanha durante centenas de anos, que a abertura, que a curiosidade por outras culturas não vão tirar nada de nós, mas sim nos enriquecer", disse a Chanceler.

veja também