"Apesar das dificuldades, o cristianismo tem crescido na Venezuela", diz missionária

O país enfrenta uma forte crise financeira e os cristãos têm se reunido juntos para clamar pela misericórdia de Deus.

fonte: Guiame, com informações da Rede Super

Atualizado: Quinta-feira, 13 Abril de 2017 as 1:22

Junia é responsável pelo ministério Gideões 24 Horas na Venezuela. (Foto: Reprodução/Facebook).
Junia é responsável pelo ministério Gideões 24 Horas na Venezuela. (Foto: Reprodução/Facebook).

A situação dos cristãos na Venezuela não está fácil. Além de uma forte crise financeira, os crentes em Jesus lidam com o nível de insegurança que está aumentando. Eles clamam por misericórdia, implorando a Deus que intervenha na situação do país. Nessa jornada, uma missionária brasileira está há sete anos na nação latina.

“São sete anos de trabalho. Sete anos que estamos juntos e eles são de diferentes congregações. Temos unido os nossos esforços e sonhos para estarmos juntos e adorar o nosso Deus”, diz a pastora Júnia Martins fazendo referência aos integrantes de seu grupo de louvor.

Junia é responsável pelo ministério Gideões 24 Horas na Venezuela. Ela afirma que seu chamado ministerial se deu logo no início de sua conversão. “O sonho de viver na Venezuela nasceu quando eu tinha 17 anos, quando eu entreguei a minha vida para Jesus”, conta.

“E nesse mesmo ano em que entreguei minha vida para Jesus, escutei a voz de Deus no meu coração através de uma pregação de uma missionária que tinha vivido vários anos em diferentes lugares, em diferentes cidades”, compartilhou.

Cristianismo

“Eu senti como se meu coração estivesse queimando, ardendo. E a partir desse dia, Deus falou comigo: 'Eu te levarei a outras nações'. A Venezuela é minha segunda nação. Eu amo o Brasil, mas a Venezuela é minha segunda nação”, explica.

“O cristianismo lá na Venezuela, graças a Deus, apesar das dificuldades e das crises que temos vivido, tem crescido. A Igreja está crescendo. A igreja está buscando, de uma maneira ou outra, a solução para os problemas e para essa crise que estamos enfrentando lá no país”, finalizou.

veja também