Após representação do PSOL, Defensoria Pública entra com ação civil contra Fidelix

A Defensoria Pública de São Paulo alega que o então candidato do PRTB à presidência da república deu "declarações de caráter homofóbico" durante um debate realizado pela rede Record de Televisão.

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quinta-feira, 9 Outubro de 2014 as 10:46

O órgão alegou que as declarações dadas pelo então candidato do PRTB em um debate, no dia 28/09, "foram de caráter homofóbico".

Na última terça-feira, 07/10, a Defensoria Pública de São Paulo ingressou com uma ação civil contra Levy Fidelix (PRTB), em razão de suas declarações sobre homossexuais, dadas em um debate realizado pela Rede Record, no dia 28/09.

Respondendo a uma pergunta feita por Luciana Genro sobre o casamento gay, Fidelix deu uma declaração que acabou gerando polêmica durante toda a semana seguinte ao debate. Entre "memes" - fotos e vídeos - que satirizam as palavras do candidato, críticas e elogios, Fidelix acabou alcançando grande visibilidade.

"Tenho 62 anos e, pelo o que eu vi na vida, dois iguais [homens ou mulheres] não fazem filhos. E digo mais: desculpe, mas aparelho excretor não reproduz", afirmou Fidelix.

Nas mídias sociais, Fidelix foi considerado por muitos cristãos como "um candidato que disse o que muitos não tinham coragem de dizer".

A Defensoria afirmou à Justiça de SP que as falas de Fidelix "incitaram o ódio contra a comunidade de lésbicas, gays, bissexuais e travestis (LGBT)" e pede indenização de R$ 1 milhão.

Antes desta ação movida pela Defensoria Pública de São Paulo, a então candidata Luciana Genro e o deputado Jean Wyllys (ambos do PSOL) já haviam apresentado um texto no TSE, no qual também alegam que o candidato "incitou o ódio contra os homossexuais".

Clique no vídeo abaixo para assistir novamente à declaração de Fidelix:

Com informações do Estadão

veja também