Atleta cristão alerta que rede de clínicas de aborto foi criada para matar bebês negros

O jogador de futebol americano disse que a divulgação massiva do aborto entre as jovens negras e hispânicas têm sido um grande engano para essas adolescentes que sofrem com a gravidez precoce.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 12 Agosto de 2016 as 1:30

Benjamin Watson com seus filhos em campo de futebol americano. (Foto: Daily Mail)
Benjamin Watson com seus filhos em campo de futebol americano. (Foto: Daily Mail)

O atleta cristão e astro da Liga de Futebol Americano, Benjamin Watson abriu o jogo sobre seus pontos de vista com relação à legalização do aborto e a forte relação desta 'causa' com o racismo nos Estados Unidos atualmente.

Em uma entrevista de uma hora para a série do blog da organização pró-vida 'Turning Point Pregnancy Resource Center', Watson, um cristão devoto que muitas vezes já falou publicamente sobre uma ampla gama de questões raciais e políticas, respondeu a perguntas sobre a relação entre o preconceito racial e o aborto.

Ben Watson, que também é o autor do livro "Under Our Skin" ("Sob a Nossa Pele"), tem frequentemente discutido a questão da divisão racial nos Estados Unidos, tanto em seu livro, quanto nos posts de sua página do Facebook e nas entrevistas para a mídia.

Na segunda parte da entrevista, Watson deu grandes detalhes sobre como os fatores raciais influem na questão do aborto. Ele ressaltou que a agenda do aborto parece ser voltada principalmente para as minorias e como a maior rede abortista da nação foi fundada por Margaret Sanger, que tem sido frequentemente acusada de ser racista e eugenista.

"Eu sei que os negros representam uma grande parte dos casos de abortos e eu sei que honestamente o propósito da 'Planned Parenthood' [rede de clínicas de aborto dos EUA] e Sanger no passado era exterminar os negros. É irônico que ela ainda esteja funcionando", disse Watson . "Nós [como minorias] apoiamos candidatos e esmagadoramente apoiamos a ideia de ter a 'Planned Parenthood' e outras similares, mas no entanto, foi por isso que elas foram criadas".

Watson também criticou as minorias que apoiam a promoção do aborto e denunciou que as adolescentes grávidas negras e hispânicas estão sendo encorajadas a praticar o aborto em vez de manter seus bebês.

"Estamos mordendo a isca, o anzol, a linha e o chumbo, como se isso fosse algo bom. Isso é simplesmente inacreditável para mim e aborto me entristece muito. Mas isso parece ser algo que é realmente pressionado sobre as minorias, especialmente como algo que elas devem fazer", afirmou Watson. "Publicamente, parece que o quadro que está sendo pintado é este: 'quando as minorias engravidam eles precisam abortar, especialmente quando se trata de gravidez na adolescência".

"Quando as meninas negras engravidam se tornam uma estatística, mas quando as meninas brancas engravidam, ganham a atenção de um programa de TV", acrescentou.

Ben Watson é casado com Kirsten Vaughn e tem cinco filhos. (Foto: Players Tribune)

Watson explicou que seu livro menciona como muitas ideias políticas - como as de que minorias devem abortar - são "forçadas em nossas mentes" através de uma "cultura reforçada".

"Vamos sentar aqui e falar sobre o avanço da agenda do movimento negro, o que isso significa, falarmos sobre nossos interesses e o que é importante para nós - como ter poder político e avanço e todas aquelas coisas - e então nós acabamos nos focando no interesse de matar nossass crianças", disse Watson. "Estamos comprando a mentira que isso depende da nossa decisão pessoal".

"Honestamente, eu sei que é uma decisão difícil", continuou. "Eu não sei exatamente o que é como estar grávida e ser uma mãe solteira, ou mesmo para ser uma mãe casada e não quer a criança. Eu nunca diria que as pessoas estão tendo abortos flippantly. Sei que as pessoas tê-los por conveniência , mas isso não significa que não é uma escolha difícil para as mães para fazer, então eu sempre quero ser solidário com isso".

Embora Watson acredite que o aborto é um "assunto de mulheres", ele acredita que os homens (pais da criança) ainda têm um grande papel a desempenhar na decisão final para que elas façam ou não um aborto.

"Muitas das mulheres não fariam abortos se os homens se intensificassem em também assumir aquilo que já é biologicamente parte deles. Embora a mulher dê à luz a criança, criar um filho (a) foi algo projetado para duas pessoas para fazê-lo", afirmou Watson. "E há tanta tensão indevida e pressão sobre a mulher se o seu companheiro não estiver lá".

Watson argumentou que uma falha no processo é que muitos homens preferem olhar o aborto como um "assunto de mulheres", para que eles não tenham que e tomar uma decisão.

"Qualquer idéia de que 'o homem não tem um papel nisso' não é verdade e é simplesmente mais relacionada a essa política de tornar a vida de um homem mais fácil", Watson salientou.

 

veja também