Beijar cadáveres está ajudando a espalhar Ebola, diz especialista

"Há fortes crenças e ritos funerários tradicionais, que exigem que toda a família toque o cadáver", disse o cientista.

fonte: Guiame

Atualizado: Sábado, 27 Setembro de 2014 as 9:03

Beijar os cadáveres de vítimas do Ebola em funerais, e os rituais religiosos praticados nessas cerimônias estão ajudando a espalhar o vírus mortal, de acordo com Peter Piot, um dos principais cientistas do mundo que estava entre os primeiros a identificar Ebola em 1976.

"Há fortes crenças e ritos funerários tradicionais, que exigem que toda a família toque o cadáver", disse Piot em uma entrevista, "e eles têm refeições na presença do corpo morto." Piot explica que religiosos africanos acreditam que o objetivo da vida é se tornar um antepassado, e que os ritos funerários são necessários para garantir a passagem do falecido para "o outro mundo".

Igrejas de toda a região foram fechadas ou alteraram alguns ritos de adoração, incluindo a comunhão compartilhada, em uma tentativa de impedir a disseminação da doença. 

Peter Piot, que é diretor da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, disse que a piora das condições na África Ocidental contribuíram para uma "tempestade perfeita" da doença, incluindo uma população crescente, décadas de guerra civil, corrupção governamental generalizada, os sistemas de saúde disfuncionais e uma crescente desconfiança na medicina ocidental.

Com informações de Religion Service News
www.guiame.com.br 

veja também