Campeão de MMA fala sobre como Deus restaurou seu casamento e o livrou do suicídio

Militar aposentado, o lutador Chad Robichaux destacou que as orações e a fé de sua esposa contribuíram fortemente para o levarem a Cristo e até mesmo fundar o Programa 'Mighty Oaks Warrior', que visa ajudar veteranos de guerra a superarem seus traumas.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 25 Maio de 2016 as 1

Chad Robichaux e sua esposa atualmente trabalham dando apoio a veteranos de guerra e compartilhando a mensagem do Evangelho entre eles, ajudando a combater o suicídio, que assola grande parte dos militares aposentados. (Foto: CBN)
Chad Robichaux e sua esposa atualmente trabalham dando apoio a veteranos de guerra e compartilhando a mensagem do Evangelho entre eles, ajudando a combater o suicídio, que assola grande parte dos militares aposentados. (Foto: CBN)

Em um novo vídeo do conhecido projeto cristão "I Am Second", um ex-fuzileiro naval dos Estados Unidos e campeão de MMA falou abertamente sobre sua batalha contra a raiva, o ódio, adultério e até mesmo suicídio, como resultado de um transtorno de estresse pós-traumático.

Segundo Chad Robichaux as orações a fé de sua esposa contribuíram fortemente para o levarem a Cristo e até mesmo fundar o Programa 'Mighty Oaks Warrior'.

O vídeo começa com Robichaux narrando um incidente, que aconteceu quando ele trabalhava como oficial de polícia de Nova Orleans (EUA). Depois de uma chamada para atender um caso de violência doméstica, ele teve de lidar com um criminoso armado, que já respondia a acusações de homocídio. Robichaux e seu parceiro acabaram atirando no agressor, levando-o à morte. Embora ele e seu colega tenham sido absolvidos por um júri depois, Chad carregou esse episódio como um peso em sua consciência.

"Eu tinha acabado de me sujar completamente com sangue e senti que não poderia me limpar. Eu só queria que alguém me dissesse que estava tudo bem, porque eu tinha acabado de matar aquele cara na frente de sua família", lembrou ele. "Aquilo era algo que eu nunca pensei que pesaria tanto, mas foi assim que aconteceu".

Robichaux começou sua carreira militar como um fuzileiro naval, antes de passar um tempo como oficial de polícia, em Nova Orleans, onde ganhou uma medalha de honra por sua coragem. Após os ataques terroristas de 11 de setembro em Nova York, ele foi selecionado para participar de uma força-tarefa de operações especiais, na qual foi enviado ao Afeganistão para lutar contra o terrorismo.

"Quando fui pela primeira vez, a emoção foi grande... lá fora, em algum lugar no escuro, estava o 'cara mau", disse ele. "E então você vai para fora, e você o vê. Você vê o mal e descobre o que um homem pode fazer a outro. O que o ódio pode fazer com uma cultura, o que essas pessoas cheias de ódio podem fazer contra crianças e mulheres pelo seu próprio egoísmo. Isso algo que você pode não entender, que você pode não processar".

Chad acrescenta que ele acabou permitindo que o ódio e a amargura fizessem parte de sua vida.

Robichaux chegou em casa enfurecido, após uma viagem Afeganistão e esse ódio logo afetou a sua vida pessoal, especialmente seu relacionamento com sua esposa. Ele disse agiu de um forma cruel com ela.

"Eu estava fora de controle e eu não me sentia mal por isso... eu não apenas me isolei de todos, mas literalmente construí um muro entre mim e minha família, para talvez protegê-los até de mim mesmo".

Robichaux foi para sua oitava missão consecutiva no Afeganistão e voltou para casa em abril de 2007. Essa era a sua última viagem pelas forças armadas, mas esse tornou-se exatamente o seu ponto de ruptura.

Ele começou a ter ataques de ansiedade e pânico e as lembranças dos campos de guerra o levaram a se tornar uma pessoa cheia de raiva e fraca emocionalmente. Ele foi diagnosticado com Estresse pós-traumático (PTSD) em um nível alto e também foi removido de sua equipe da força-tarefa.

"Aquilo realmente abalou o meu orgulho, porque um dia eu sou esse 'menino de ouro' nessa força-tarefa de operações especiais e no dia seguinte, eu simplesmente não estou mais autorizado a atuar no campo", diz ele.


Esporte
A esposa de Robichaux o encorajou a começar a praticar alguma atividade física. Ele acabou encontrando motivação no MMA e no Jiu-Jitsu, passando de 10 a 12 horas por dia nos tatames.

Posteriormente, Robichaux começou a lutar profissionalmente em lutas transmitidas pela TV nos EUA e chegou a ganhar o torneio 'World Bantamweight'.

Alcançado o sucesso como lutador, Robichaux cercou-se de pessoas que o bajulavam e diziam qualquer coisa que ele quisesse ouvir. Isso o levou a cometer adultério por diversas vezes.

Além do adultério, Chad continuava a relutar contra o tratamento de seu estresse pós-traumático e viu sua esposa se afastar cada vez mais, até que eles decidiram se divorciar.

Robichaux desenvolveu tendências suicidas. Durante duas semanas carregou constantemente sua pistola contigo, falando por diversas vezes no desejo de tirar sua vida.

Enquanto Chad pensava em tirar sua própria vida, sua esposa respondeu a essa situação de forma diferente. Ela orou incansavelmente todos os dias e disse a ele que, mesmo sendo bem-sucedido profissionalmente, tinha desistido de sua vida familiar. "Ela estava certa", disse ele.

Chad Robichaux ganhou fama como lutador de MMA. (Foto: Sherdog)


Planejamento

Robichaux decidiu colocar em prática, a mesma ética que usava como profissional, o mesmo personagem, a mesma disciplina que tinha como lutador e que também teve como militar, em sua vida familiar. Ele planejou trabalhar em sua vida familiar e pediu à sua esposa que apresentasse a alguém de sua igreja, que pudesse ajudá-lo. Ela o apresentou a um mentor, chamado Steve. Mas quando Steve olhou para o planejamento de Robichaux, disse-lhe que não iria funcionar, porque o lutador não tinha incluído Deus nesses planos.

"Então eu tomei a decisão de submeter a minha vida a Cristo", disse Robichaux. Depois de um programa de discipulado de um ano "essa coisa PTSD, que antes estava no controle, tornou-se um conjunto de memórias que já podiam ser controladas".

Mais tarde, em 2011, Robichaux e sua esposa deram início a um ministério, o 'Mighty Oaks Warrior', para ajudar outros veteranos das forças armadas a descobrirem a glória do plano de Deus para as suas vidas.

Robichaux espera, compartilhando sua experiência, para que ele possa ajudar a mudar a taxa de suicídios entre veteranos de guerra, que atualmente chega à marca de 22 por dia, bem como o alarmante os números alarmantes de 80% cento dos casamentos de militares que terminam em divórcio.

veja também