Capelão é punido pela diretoria de um presídio, após compartilhar versos bíblicos sobre homossexualidade

O pastor e cantor Country, Barry Trayhorn trabalhava como jardineiro no presídio de 'Littlehey', em Bedfordshire (Inglaterra) e começou a prestar o serviço voluntário de capelania em 2011. Mas teve que abandonar até mesmo o emprego remunerado, após compartilhar com os presos, a passagem de 1 Coríntios 6, que condena vários pecados, incluindo o comportamento homossexual.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Terça-feira, 3 Novembro de 2015 as 10:59

Um ministro cristão e capelão voluntário foi disciplinado pelas autoridades na prisão onde ele trabalhava, por citar versos da Bíblia, que foram considerados 'homofóbicos' pela diretoria da casa de detenção, da Inglaterra.

O pastor pentecostal e cantor Country, Barry Trayhorn trabalhou como jardineiro no sistema prisional de 'Littlehey', em Bedfordshire (Inglaterra) e começou a ajudar como voluntário, com os serviços de capelania na instituição, em 2011.

Em um culto, ele leu uma passagem de 1 Coríntios 6, que condena vários pecados, incluindo o comportamento homossexual.

Trayhorn disse ao jornal 'Daily Mail', que ele queria explicar à congregação dos detentos - muitos dos quais cometeram crimes de abuso sexual - sobre a mensagem cristã do perdão.

No entanto, as autoridades prisionais deram ao pastor, uma última advertência depois que ele foi considerado como tendo 'violado as leis de igualdade'.

Trayhorn está levando a diretoria do presídio de Littlehey ao tribunal de trabalho, alegando que foi forçado a abandonar o seu emprego remunerado como jardineiro por causa do caso.

Ele já havia renunciado ao cargo de capelão, mas recebeu o aviso final, para que deixasse o emprego. O diretor da prisão, David Taylor decidiu que, enquanto ele não fosse um "indivíduo antagônica", era culpado por fazer declarações "provocadoras", que violavam o código de conduta da prisão.

Seu caso foi tomado pelo Centro Legal Cristão (CLC) e ele está processando a prisão pela chamada "demissão construtiva" - que ocorre quando a empresa / empregador cria um ambiente de trabalho hostil para o funcionário e o leva a se demitir.

A diretora da CLC, Andrea Williams disse: "As palavras do senhor Trayhorn não tinham nada que não pudesse ser encontrado em uma igreja paroquial rural em uma manhã de domingo e foram uma explicação sobre o arrependimento e o perdão".

"A Bíblia é dada aos prisioneiros agora será censurada e terá que remover qualquer coisa que as pessoas possam achar difícil de ouvir?", questionou.

O Ministério da Justiça não quis comentar o caso.

veja também