Cientista cristão reafirma veracidade do dilúvio: "Se Noé é um mito, o Evangelho está mentindo"

Após um pastor luterano dos EUA afirmar em um artigo que a história bíblica de Noé não teria acontecido de verdade, o cientista cristão Ken Ham defendeu a veracidade do relato, contido em Gênesis.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 23 Agosto de 2016 as 12:45

Ken Ham é um cientista cristão e inaugurou recentemente, o parque temático "Encontro da Arca", nos EUA. (Foto: Forbes)
Ken Ham é um cientista cristão e inaugurou recentemente, o parque temático "Encontro da Arca", nos EUA. (Foto: Forbes)

O presidente da organização "Answers in Genesis" ("Respostas em Gênesis"), Ken Ham, confrontou pastores que questionam a interpretação literal do relato de Noé no livro de Gênesis. Para o cientista cristão, dizer que a história não é real seria o mesmo que afirmar que "Jesus Cristo teria mentido".

"Um pastor da Igreja Evangélica Luterana da América (ELCA) diz que o relato de Noé não é uma história real, mas se for realmente isso, então Jesus, Pedro e o autor de Hebreus mentiram. O pastor diz que o livro de Gênesis é um mito. Bem, então o Evangelho também seria, já que é pregado em Gênesis 3:15-21", escreveu Ham em um post no Facebook, na segunda-feira (22).

"Se Noé é um mito, assim são todos aqueles listados em Hebreus 11, como Abraão, Isaque, José, Moisés e outros. Será que o pastor prefere ter filhos que sejam ensinados, tendo evolucionismo como fato e a criação como um mito? A Bíblia diz em Marcos 9:42 que o livro de Genesis conta histórias reais", acrescentou.

Ham, que em julho inaugurou o parque temático 'Encontro da Arca', em Kentucky (EUA), respondeu a um artigo de opinião, escrito por um pastor luterano da ELCA, que foi publicado no jornal 'Ahwatukee Foothills', falando contra a análise literal do livro de Gênesis  embora a desde terça-feira, o link para o artigo conduza o leitor a uma página de erro (404).

"Há liberais como este em todas as denominações  e louvo ao Senhor pelos muitos pastores luteranos que apoiam a organização Answers in Genesis", acrescentou Ham.

O tema das origens humanas permanece divergente na América do Norte, considerando que uma pesquisa do instituto Gallup, de 2014, constatou que 42% apoiam a crença de que Deus criou os humanos em sua forma atual. Ham advertiu claramente os cristãos que não concordam com o criacionismo e apoiam a teoria da evolução, acusando-os de seguir uma "religião de morte".

"Os cristãos que aceitam a teoria dos milhões de anos estão misturando a religião da morte com a religião da vida. A morte veio depois do pecado e Jesus os venceu. A evolução requer que a morte já tenha existido ao longo de milhões de anos", disse Ham em outro post, em junho.

"A Bíblia descreve a morte como um inimigo que um dia será destruído por meio da ressurreição de Cristo, que nos ofereceu a vida com Deus. A criação é uma religião de vida. A morte é um resultado do pecado. O nosso Criador pagou a penalidade pelo pecado e nos ofereceu o dom gratuito da salvação. Tudo está focado na vida", acrescentou.

Ham também alertou para outro perigo de cristãos que apoiam a evolução. Ele afirmou que se preocupa com as as armadilhas de justificar uma série de outras "tendências pecaminosas".

"Um dos problemas com o compromisso em uma área das Escrituras é: onde mais você deixará de se comprometer? Se os cristãos aceitam a ideia da evolução humana, então por que não aceitariam a ideia de que as nossas tendências pecaminosas são realmente apenas uma evolução das tendências?", questionou o cientista.

veja também