Cientista diz que aborto não é cuidado médico: "A vida é um dom de Deus"

As declarações do cientista cristão Ken Ham foram dadas como resposta a Willie Parker - um militante pró-aborto que afirma também ser cristão e conciliar sua fé com o procedimento abortivo e se considera um "bom samaritano" ao lutar por esta causa.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 24 Fevereiro de 2016 as 4:28

O cientista cristão, Ken Ham criticou aqueles que usam o cristianismo e a Palavra de Deus para defender a "prática abominável do aborto" e chamou o procedimento de "assassinato", salientando que Deus pronunciou a pena de morte para aqueles que matassem outro ser humano no Antigo Testamento.

"Chamar o aborto de 'saúde' ou algum outro nome 'revestido de açúcar' não muda o fato de que é o extermínio de uma vida inocente", escreveu o presidente e CEO do projeto "Respostas em Genesis" no seu blog oficial na última segunda-feira (22), referindo-se a Willie Parker, um militante pró-aborto de Chicago, que se diz 'cristão', acompanha abortos nos Estados de Alabama, Mississippi e Georgia, e acredita ser um "bom samaritano" por isso.

"O aborto é saúde" e "para mim, o meu Cristianismo me leva a um lugar de não-julgamento", teria dito Parker, segundo o texto de Ham. "Eu nunca estou em dúvida se o aborto termina um processo de vida. A gravidez é um processo de vida. Todos os processos da vida que ocorrem no corpo de uma mulher são subordinados ao bem-estar da mulher. É direito das mulheres determinar todos os processos que acontecem dentro do seu corpo isso permite colocar o seu bem-estar em primeiro lugar".

Respondendo às declarações de Parker, Ken Ham citou Gênesis 9:5-6, e em seguida, afirmou: "Depois do dilúvio, Deus, mesmo pronunciou a pena de morte para aqueles que matassem outro ser humano e Deus nos dá o raciocínio para entender isso: 'porque cada ser humano é feito à imagem de Deus".

O cientista cristão também destacou que por meio da parábola do Bom Samaritano, que é contada em Lucas 10:25-37, Jesus procurou ensinar "que devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos e que o nosso 'próximo' não está restrito a pessoas que vivem perto de nós ou que fazem parte do noss mesmo grupo cultural ou étnico. Nada nesta ou em qualquer outra parábola pode ser usado para justificar o assassinato!".

Não é um direito da mulher decidir sobre a vida ou a morte do feto, ressalta. "A vida é um dom de Deus, e não temos o direito de decidir quando ou se nós vamos destruir uma vida inocente", diz ele, referindo-se à passagem de Atos 17:25. "Porque cse quando uma criança ainda está no útero - não importa se é ele ou ela - e tudo que se leva em consideração são os desejos da mãe, isso é errado. Assassinato é assassinato, independentemente da localização".

Mas há esperança para todos, incluindo os médicos, como Parker, Ham acrescenta.

"Essa esperança é encontrada no arrependimento do pecado e no ato de confiar em Jesus Cristo para receber a salvação", explica ele, citando Romanos 10:9-10.

"Através de Sua morte na cruz, Jesus tomou todos os pecados - incluindo o pecado do aborto - sobre Si, sofrendo a ira de Deus contra o pecado para nós", continuou ele. "Ele agora oferece o perdão dos pecados, vida nova e eterna através de sua ressurreição da sepultura. Se você já teve ou realizou um aborto, você - como qualquer outra pessoa desde Adão e Eva - é culpado diante de Deus. Mas graças a Ele nos é oferecido o perdão completo e uma nova vida! Receba as boas novas do evangelho, abandone seu pecado e viva para Jesus Cristo".

veja também