Colunista americano sugere que a Bíblia seja reescrita para ser aceita pela comunidade LGBT

Frank Bruni afirma em sua coluna, no New York Times, que a Bíblia mantém cristãos presos em crenças antigas e sugere que o Livro Sagrado seja "reescrito" para ser mais aceito pela comunidade LGBT.

fonte: Guiame, com informações do Religion Today

Atualizado: Sexta-feira, 10 Abril de 2015 as 5:19

Em resposta ao colunista norte-americano, um escritor cristão afirmou que a Bíblia independe de preceitos religiosos "que vêm e vão". Ela permanece imutável.
Em resposta ao colunista norte-americano, um escritor cristão afirmou que a Bíblia independe de preceitos religiosos "que vêm e vão". Ela permanece imutável.

Em um texto publicado em sua coluna no New York Times, Frank Bruni escreve que a visão de bíblica sobre "gays, lésbicas e bissexuais como pecadores é uma decisão" é baseada em "textos antigos".
 
Bruni argumenta na coluna de opinião que a Bíblia mantém cristãos presos em crenças antigas e sugere que o Livro Sagrado seja "reescrito" para ser mais aceito pela comunidade LGBT.
 
"É uma escolha", diz Bruni. "Ela prioriza passagens dispersas de textos antigos que tudo o que foi aprendido desde então - como se o tempo tivesse parado, como se os avanços da ciência e do conhecimento não significassem nada".
 
"Ele desconsidera o grau com que os escritos refletem os preconceitos e pontos cegos de seus autores, culturas e épocas".
 
Mas, em uma coluna de resposta, publicada no site cristão "Charisma News", Michael Brown, autor de "Você Pode Ser Gay e Cristão?" escreve que Bruni está errado sobre a Bíblia.
 
"Mas para os judeus e cristãos devotos, as Escrituras não são apenas quaisquer escritos, cheios de preconceitos e pontos cegos", escreve ele.
 
"Se fosse esse o caso, não haveria base alguma para a nossa fé e nenhum fundamento moral absoluto de qualquer espécie. Esqueça sobre a homossexualidade. Nós não teríamos nenhum motivo para manter a qualquer um dos fundamentos da nossa fé se a descrição de Bruni fizesse sentido".
 
Bruni também escreveu que a "homossexualidade não deve ser considerada um pecado".

"Todos nós, não importa as nossas tradições religiosas, devemos saber fazer mais do que dizer às pessoas homossexuais que eles são uma ofensa. E isso é precisamente o que os floristas e padeiros que querem transforma-los estão dizendo a eles".
 
Brown disse: "O fato é que as igrejas e denominações e grupos religiosos podem ir e vir, mas a Palavra de Deus está aqui para ficar. Ela permanece".

 

 

veja também