Com baixo número de cristãos, igrejas holandesas se transformam em museus e livrarias

Se antes a população holandesa era composta por cristãos, hoje ela é formada principalmente de ateus, seguido por 28% de católicos, 19% de protestantes e 5% de muçulmanos.

fonte: Guiame

Atualizado: Quarta-feira, 27 Julho de 2016 as 5:47

Muitos que afirmam ser cristãos não frequentam assiduamente os locais de culto. (Foto: Divulgação).
Muitos que afirmam ser cristãos não frequentam assiduamente os locais de culto. (Foto: Divulgação).

Com 44% de sua população composta de ateus, igrejas holandesas estão se tornando museus e cafés. Como em outros países da Europa, a secularização esvaziou grandes templos religiosos, muitos deles eram históricos e acabaram ficando vazios ao ponto de serem vendidos.

Sem recursos para manter estes edifícios, a venda ou o arrendamento de instalações se tornou uma maneira de gerar novos recursos para os espaços onde milhares de pessoas adoravam a Deus. Igrejas antigas agora foram ocupadas por empresários de diversos segmentos, como livrarias, restaurantes, cafés, cabeleireiros e outros.

Se antes a população holandesa era composta por cristãos, hoje ela é formada principalmente de ateus, seguido por 28% de católicos, 19% de protestantes, 5% de muçulmanos e 4% de outras religiões. Ainda assim, muitos que afirmam ser cristãos não frequentam assiduamente os locais de culto.

Os novos estabelecimentos são agradáveis aos moradores e turistas. Como aconteceu na cidade de Maastricht, onde a igreja Dominicana de Maastricht se tornou a Selexyz Bookstore, considerada como uma das mais bonitas livrarias do mundo.

Já em Amsterdã, na capital holandesa, pode ser encontrado o “Paradiso”, onde estão as bandas de rock que trabalham em uma igreja construída no século 19. A igreja foi usada até 1968 é agora utilizada como um centro de entretenimento.

Em Utrecht se encontra o Olivier Café, localizado onde uma igreja já funcionou. O ambiente é muito elogiado pelos turistas que afirmam que, além de boa comida, o lugar tem "uma boa atmosfera".

Outro caso intrigante foi o do jogador Zlatan Ibrahimovic que comprou por 4,7 milhões de euros (cerca de R$16 milhões), uma antiga igreja protestante, em Estocolmo, na Suécia. O atleta sueco não quis que o imóvel continuasse sendo usado para seus fins originais, como a realização de cultos. De acordo com o jornal francês Le Parisien, o conhecido goleador do Paris Saint Germain deveria transformar o prédio em uma luxuosa mansão, com alguns apartamentos.

veja também