Com mais de 50 anos, bíblia de Martin Luther King Jr. será vendida nos EUA

A venda da Bíblia e também do Prêmio Nobel da Paz que Luhter King Jr. ganhou em 1964 havia gerado divergências entre os três filhos do pastor, que estão ainda vivos.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Terça-feira, 16 Agosto de 2016 as 2:55

Bíblia histórica de Martin Luther King Jr. e anotações do pastor e ativista, logo ao lado. (Foto: asodohizykoz)
Bíblia histórica de Martin Luther King Jr. e anotações do pastor e ativista, logo ao lado. (Foto: asodohizykoz)

A disputa familiar de longa data sobre a propriedade de uma Bíblia que Martin Luther King Jr. usou em suas viagens terminou na última segunda-feira (15), quando um juiz assinou uma ordem que repassa o livro ao seu filho do pastor.

Havia um desacordo sobre a venda da Bíblia  juntamente com o Prêmio Nobel da Paz que King recebeu  entre seus três filhos ainda vivos. Os dois filhos do pastor, Martin e Dexter Scott queriam vender a Bíblia, enquanto a outra filha, Bernice discordava.

A Bíblia tornou-se famosa mesmo antes dos tempos de mídia social, por ter sido vista em todos os lugares onde King liderou o movimento pelos Direitos Civis, já em 1960.

A ordem de consentimento foi assinada pelo juiz Robert McBurney, do Tribunal Superior do Condado de Fulton, no estado da Geórgia (EUA). A decisão diz que os itens devem ser liberados para Martin Luther King III (filho de King Jr.), considerando que ele é o presidente do conselho de propriedade de seu pai, de acordo com notícias ABC.

Durante uma reunião com o Conselho em janeiro de 2014, os irmãos King III e Dexter votaram contra a sua irmã para vender os dois produtos manufaturados  a Bíblia e o prêmio Nobel  a um comprador particular que não teve o seu nome revelado, depois que os artigos passaram muito tempo na posse de Bernice. Uma semana depois, o patrimônio entrou com uma ação, pedindo a um juiz que ordenasse a entrega dos objetos.

As partes publicaram uma declaração conjunta, dizendo que os detalhes do acordo são confidenciais.

A ABC News informou que Bernice King disse, em 2014, que a ideia de vender os dois dos itens mais caros de seu pai era "impensável". Luther King Jr. ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1964. Sua Bíblia foi posteriormente usada pelo presidente Barack Obama durante sua segunda posse em janeiro de 2013.

Um advogado disse, em fevereiro de 2014, que os irmãos votaram para vender os dois itens porque os fundos imobiliários exigiam. No mesmo mês, o juiz McBurney ordenou que os itens fossem colocados em um cofre com as chaves controladas pelo tribunal.

Martin Luther King deixou seu nome marcado na história, por sua luta a favor dos Direitos Civis e contra o racismo, nos Estados Unidos. (Foto: PBS)

Na última segunda-feira, McBurney determinou que as chaves do cofre deveriam ser entregues para Martin III. O banco, agora, deve liberar a Bíblia e o Prêmio Nobel para ele.

No início deste verão, McBurney determinou que a Bíblia pertencia ao governo local, mas Bernice recorreu dessa decisão.

Em outubro, o ex-presidente Jimmy Carter confirmou que ele estava trabalhando como um mediador no caso.

Carter disse ontem que ele teve o prazer de trabalhar com a família King "para resolver alguns problemas permanentes, difíceis e longos".

Ele acrescentou: "Enquanto Bernice sempre acreditou que o Prêmio Nobel da Paz e a Bíblia não devem ser vendidos, estou grato que ela concorde em não manter o litígio com as decisões do Estado, sobre como lidar com os itens... Como em qualquer mediação , os compromissos foram necessários, e eu estou contente que as partes tenham resolvido as questões de interesse do bem maior e o legado de seus pais".

Martin Luther King Jr foi assassinado em 1968. Sua viúva, Coretta Scott King, morreu em 2006. Yolanda King, seu filho mais velho, morreu em 2007.

veja também