Comerciante cristão é degolado por extremista em frente ao próprio filho, no Egito

Youssef Lamei estava em frente a sua loja quando um homem se aproximou, gritou "Allah Akbar" e cortou sua garganta.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quinta-feira, 5 Janeiro de 2017 as 1:26

O ataque ocorreu em menos de um mês depois de um dos ataques mais mortíferos contra os cristãos no Egito. (Foto: Reprodução).
O ataque ocorreu em menos de um mês depois de um dos ataques mais mortíferos contra os cristãos no Egito. (Foto: Reprodução).

Um comerciante cristão foi assassinado na cidade egípcia de Alexandria em uma suspeita de crime de ódio contra cristãos. De acordo com a International Christian Concern (ICC), Youssef Lamei estava do lado de fora de sua loja, no popular distrito de Montazah, quando o homem acusado do assassinato, supostamente um salafista (movimento ortodoxo ultraconservador dentro do islamismo sunita) de 48 anos, gritou "Allah Akbar" e cortou a garganta de Lamei.

A polícia prendeu o suspeito na manhã da última quarta-feira. O irmão de Lamei, Nasef, disse à ICC: "O assassinato de meu irmão foi planejado e executado com precisão porque o assassino visitou a loja muitas vezes antes de cometer o crime e sabia que meu irmão costumava ficar sentado neste lugar".

Ele disse que Lamei era conhecido como um homem pacífico e que até concordou em fechar sua loja durante todo o mês de Ramadã para não ofender seus vizinhos. Ele ficou conhecido por fechar sua loja durante as cinco orações muçulmanas diárias.

"Ele obedecia para evitar que ocorressem problemas", disse Nasef à ICC. O filho de Lamei estava dentro da loja quando seu pai foi morto. "Estou triste pela perda de meu pai. Ele foi morto na minha frente", disse Tony Youssef à ICC. "Eu estou triste, pois vivemos em um país que não tem segurança. Ele era meu pai, amigo, era tudo em minha vida".

Massacre contra cristãos

O ataque ocorreu em menos de um mês depois de um dos ataques mais mortíferos contra os cristãos no Egito, onde 27 cristãos foram mortos no bombardeio da Catedral de São Marcos, no Cairo, no dia 11 de dezembro de 2016.

William Stark, gerente regional da ICC, disse: "Estamos profundamente preocupados e tristes com a notícia da morte de Youssef Lamei. O crime contra minorias religiosas no Egito tem ficado fora de controle com a contínua destruição de propriedade, ataques terroristas e agora assassinatos. Existe o medo em seus próprios países”, disse.

"Condenamos o assassinato e sofremos com a família de Lamei e as autoridades egípcias devem fazer mais para reduzir esses crimes de ódio e garantir a igual proteção nos termos da lei, independentemente da identidade religiosa de um indivíduo", finalizou.

veja também