Confeiteiros cristãos que se recusaram a fazer bolo para casamento gay encerram atividades comerciais

Segundo Randy e Trish McGath (donos do estabelecimento), eles têm sentido a necessidade de dedicar mais tempo aos seus netos e filhos. O casal está buscando no momento, outras opções de trabalho, com horários mais flexíveis.

fonte: Guiame, com informações do Christian News

Atualizado: Terça-feira, 3 Março de 2015 as 11:29

Os donos de uma confeitaria do Estado de Indiana (EUA) que foi alvo de polêmica no ano passado, quando estes se recusaram a fazer um bolo para a festa de um casamento gay, anunciou que está fechando as suas portas e encerrando suas atividades, mas não pela razão que a maioria das pessoas poderia pensar.

Segundo Randy e Trish McGath (donos do estabelecimento), eles têm sentido a necessidade de dedicar mais tempo aos seus netos e filhos. O casal está buscando no momento, outras opções de trabalho, com horários mais flexíveis.

A polêmica com relação ao casamento gay e as acusações de homofobia contra os confeteiros surgiram em março do ano passado (2014), quando o cliente Mike Stephens procurou a confeitaria "111 Cakery", em Indianapolis, para encomendar um bolo para a cerimônia de compromisso com seu parceiro Shane Laney.

Os donos da confeitaria (cristãos) informaram Stephens que não poderiam atender a esta encomenda em particular.

Os McGaths explicaram aos jornalistas que decorar um bolo requer envolvimento pessoal na criação da mensagem especial, que deve ser expressa nas palavras do bolo - seja artística literalmente.

"Como artistas, temos de encontrar inspiração para criar algo especial para nossos clientes", disse Randy. "Quando nos pediram para fazer um bolo para uma ocasião ou com um tema que está em oposição à nossa fé... Foi muito difícil para nós. Lutamos contra isso".

Ele afirmou que sua padaria tem uma política sobre determinados tipos de bolos temáticos que possam, incluindo bolos que tragam imagens referentes ao alcoolismo, drogas ou violência.

McGath também explicou que ele estava bem ciente sobre a localização de seu estabelecimento, quando abriu este negócio. Pela grande quantidade de homossexuais que vivem especificamente nos arredores, a região é chamada popularmente de "gayborhood" ("vizinhança gay"), e afirma que já serviu a muitos clientes que se identificam como homossexuais.

"Não há discurso de ódio aqui", afirmou. "Isso nos leva a fazer uma busca da alma. Por que estamos fazendo o que fazemos? Queremos mostrar o amor de Cristo. Queremos estar bem com o nosso Deus, mas também queremos mostrar bondade e respeito a outras pessoas".

A notícia logo se espalhou e ganhou espaço, não apenas na mídia local, mas também em outros estados, inclusive pelas mídias sociais. Um homem postou uma foto da confeitaria em seu perfil e convocou um boicote ao estabelecimento em razão do ocorrido com Stephens.

Muitos atenderam ao boicote, porém diversas famílias apoiaram os donos da padaria. Uma corrente acabou mobilizando pessoas de outros estados que chegaram a visitar a cidade, principalmente para ir à confeitaria e prestar solidariedade aos McGath. Isto gerou uma publicidade positiva para o estabelecimento e evitou um possível prejuízo.

Ao comunicar o encerramento de suas atividades, os donos da confeitaria agradeceram a todos que os apoiaram, principalmente em momentos difíceis, como este episódio.

"Nós decidimos não renovar nosso contrato de aluguel do estabelecimento e, por isso, estamos agora fechando", disse um comunicado no site oficial. "Queremos agradecer a todos por seu patrocínio, apoio e amizade. Tem sido um verdadeiro prazer atende-los. Ef 2:8".

Os McGaths, que frequentam uma igreja batista, e reiteraram aos jornalistas esta semana, que suas declarações sobre o assunto polêmico do ano passado permanecm respeitosas, mesmo em meio à oposição.

"Nós estávamos apenas tentando ser corretos diante do nosso Deus", disse Randy McGath. "Eu não vejo problema em conversar com muitos homossexuais da comunidade e falar sobre a nossa opinião e ter uma conversa civil. Eu ainda estou em contato com alguns. "

Arquivo
A polêmica envolvendo a confeitaria dos McGath surgiu meses depois de um outro caso bem semelhante, ocorrido no Estado do Colorado (também nos Estados Unidos).

Em janeiro de 2014, o confeiteiro Jack Phillips chegou a ser processado por se recusar a fazer o bolo para a festa de um casamento gay.

Apesar de ter perdido a causa, inicialmente, os advogados do empresário recorreram da decisão dos tribunais.

 

 

veja também