Cristão árabe salvou sua família enquanto era assassinado, nos EUA

O vizinho de Khalid acreditava que ele era muçulmano e por isso perseguiu sua família durante anos. Até que no início do mês, o árabe — que era cristão — foi morto com tiros no abdômen.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 23 Agosto de 2016 as 12:12

Durante anos, antes da morte de Khalid, a família cristã teria sido assediada por Majors que supostamente os chamou de "árabes sujos". (Foto: Reprodução).
Durante anos, antes da morte de Khalid, a família cristã teria sido assediada por Majors que supostamente os chamou de "árabes sujos". (Foto: Reprodução).

Khalid Jabara, um homem árabe cristão de 37 anos, foi morto a tiros em frente à sua casa pelo seu vizinho. Embora ele tenha sido alvo de várias balas que perfuraram seu abdômen, a vítima conseguiu salvar a vida de três pessoas enquanto morria. O fato aconteceu em Oklahoma, Estados Unidos, no dia 12 de agosto.

O atirador de 61 anos, Stanley Vernon Majors, teria sido motivado pelo preconceito racial e religioso quando ele atirou e matou Khalid. O vizinho acreditava que Khalid era muçulmano.

A mãe da vítima, Haifa Jabara, disse que Majors está sendo julgado atualmente por um episódio no ano passado. Ela informou que, na época, seu filho a chamou quando estava sendo atacado e alertou para que ela ficasse longe de casa.

"Ele me ligou e disse: 'Mãe, fique onde está! Esse cara tem uma arma. Por favor, fique longe'", disse Haifa Jabara. Ela explicou que ainda estava no telefone quando ouviu Majors ameaçar Khalid. "Eu ouvi pelo telefone que ele estava indo para minha casa para atirar em mim”, completou.

Anos antes da morte de Khalid, a família cristã teria sido assediada por Majors, que supostamente os chamou de "árabes sujos". Embora ela não estivesse em casa durante o ataque, Haifa acredita que as ações de seu filho também impediram que seu marido, Mounah Jabara, fosse atacado por Majors.

"Meu filho salvou minha vida. Porque se eu estivesse lá, definitivamente eu seria atingida, porque ele já tentou me matar anteriormente", disse Haifa, recordando o incidente de setembro de 2015, quando Majors quis atacá-la.

A fatalidade

Khalid chamou as autoridades no dia 12 de agosto para informar que Majors tinha uma arma na mão e que ele estava com medo do que poderia acontecer. Foi o que disse Victoria Jabara-Williams, sua irmã, em uma declaração para a mídia local. A polícia, no entanto, disse que não havia nada que eles pudessem fazer, porque Majors tinha voltado para casa.

Assim que a polícia deixou o local, Khalid saiu de casa e Majors atirou nele. Haifa disse que ouviu Khalid pedir ajuda várias vezes. A prima de Khalid, Tania Jabara, disse que Khalid foi ferido quando ele entrou em cena para salvar seus familiares.

"Ele disse a ela: ‘Vá embora, vá embora! Ele tem uma arma! Ele tem uma arma!'", Tania Jabara disse. "Ele foi baleado e, em seguida, Majors que estava escondido atrás de Khalid, veio para me matar".

Kirsten Evans, diretora executiva da Defesa dos Cristãos, disse que a morte de Khalid é um reflexo de tensões étnicas e mortais em crescimento na América. "Aqui nos Estados Unidos, o Sr. Jabara e sua família tornaram-se alvos da violência e do ódio também por causa da sua identidade de cultura do Oriente Médio", disse.

"Infelizmente, no Oriente Médio, os cristãos ficam em um fogo cruzado no conflito sectário que assola a região. Eles se tornam bodes expiatórios vulneráveis ​​para o ódio e a violência oriunda de tensões políticas e culturais", acrescentou. A irmã de Khalid, Victoria, acredita que a morte de seu irmão poderia ter sido evitada.

veja também