Cristãos na Nigéria sofrem violência brutal com centenas mortos em confrontos

O canal BBC News apresentou o cenário como de "profundo choque" ao tratar do nível de violência que deixou centenas de pessoas mortas em várias aldeias.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 1 Março de 2016 as 2:28

Foto: Cristãos nigerianos sofrem ataques. (Foto: Afolabi Sotunde/Reuters)
Foto: Cristãos nigerianos sofrem ataques. (Foto: Afolabi Sotunde/Reuters)

A Nigéria continua lutando contra grupos terroristas, como o Boko Haram, por exemplo. Relatórios afirmaram que centenas de pessoas foram mortas e os cristãos têm sido alvo de fortes ataques em todo o país. O presidente nigeriano, Muhammadu Buhari ordenou uma investigação sobre os confrontos tribais entre pastores Fulani e os agricultores locais no estado de Benue central.

O canal BBC News apresentou o cenário como de "profundo choque" ao tratar do nível de violência que deixou centenas de pessoas mortas em várias aldeias. Buhari afirmou que deverá realizar uma investigação. "Vamos realizar uma investigação para saber exatamente o que aconteceu. Esta é a única maneira de acabar com a violência de uma vez por todas. É olhar para além de um incidente e determinar com precisão quais os fatores que estão por trás dos conflitos", disse.

Ele acrescentou: "Somos todos uma nação e um povo. Não deve haver nenhuma razão para que os nigerianos de qualquer grupo ou língua não possa agora residir uns com os outros, onde quer que se encontrem, após décadas de convivência", ressaltou. Os ataques também teriam deslocado cerca de 7.000 moradores.

Grupos de vigilância de perseguição, como a International Christian Concern, têm apontado que grande parte da violência visa os cristãos, que compõem cerca de metade da população do país. "O nível de brutalidade que pastores Fulani continuam a travar de forma barbara comunidades da Nigeriana, faz com que cristãos não possam ser subestimados. Temendo que os cristãos enfrentem ameaça constante de fogo e tiros como cada um desses ataques conta a mesma história trágica. A fala é de Troy Agostinho, gerente regional da ICC para a África.

"Não podemos permitir que a frequência e brutalidade intensificada para com os cristãos. Eles não podem continuar a sofrer nesta região para nos dessensibilizar à perda do ser humano real e sofrimento que eles experimentam", continuou ele.

"As autoridades nigerianas devem seguir o seu primeiro mandato em proteger todos os nigerianos contra ameaças violentas a vida e a propriedade, qualquer que seja a fonte, em vez de permitir estes crimes para continuar impunes e convenientemente se explicar por meio da lente de guerras", relatou.

O ICC observou que as autoridades nigerianas não estão transmitindo esta segmentação dos cristãos, avaliando os ataques em curso mais de tensões históricas sobre direitos à terra para criação de gado contra a agricultura. Houve vários relatos de massacres cometidos pelos pastores Fulani, em 2015. No entanto, incluindo ataques em maio, onde mais de 70 cristãos foram mortos, enquanto prédios de igrejas e casas foram queimadas no Estado de Plateau central.

veja também