Cristãos são presos por se reunirem para orar, no Azerbaijão

Todos os 30 participantes da reunião de oração foram presos quando policiais interromperam o grupo.

fonte: Guiame, com informações do World Watch Monitor

Atualizado: Segunda-feira, 12 Dezembro de 2016 as 4:51

Os 30 cristãos foram questionados e tiveram seus nomes e passaportes registrados. (Foto: World Watch Monitor).
Os 30 cristãos foram questionados e tiveram seus nomes e passaportes registrados. (Foto: World Watch Monitor).

Um grupo de 24 cristãos do Azerbaijão foi informado de que receberá uma multa de pelo menos 850 dólares (o equivalente a R$ 2.852) por participarem de uma reunião de oração "ilegal" na casa de um líder da igreja.

Todos os 30 participantes foram inicialmente presos quando uma dúzia de policiais interrompeu a reunião na manhã do dia 27 de novembro, na casa de Gamid e Ginayat Shabanov em Aliabad, uma aldeia no sul do país.

Os 30 cristãos foram questionados e tiveram seus nomes e passaportes registrados. A polícia também fez um inventário de toda a literatura cristã na casa.

Vinte e seis deles foram levados para a delegacia, sendo que 22 foram liberados na mesma noite. Mas, quatro permaneceram detidos durante a noite, incluindo os Shabanov e outro líder da igreja, Mehman Agamemedov.

Eles foram liberados no dia seguinte, mas foram advertidos para não se reunirem outra vez. Vinte e quatro deles foram informados de que seriam multados.

"Cada um de vocês pode orar em sua própria casa, mas as reuniões são proibidas, caso contrário você será preso novamente com consequências mais sérias do que uma multa", disse a polícia a eles, de acordo com uma fonte do World Watch Monitor.

Mídia local

As prisões foram transmitidas na televisão nacional, embora eles não fossem identificados especificamente como "cristãos". Ao invés disso, foi noticiado que o grupo foi preso por "prática de atividades religiosas ilegais" e por "difundir doutrinas religiosas ilegais".

"Parece que somos uma espécie de seita", disse Agamemedov. Reuniões religiosas em casas particulares são proibidas pela lei do Azerbaijão, que estabelece que apenas organizações religiosas registradas podem se reunir para orar ou adorar.

A punição para "atividade religiosa ilegal" é uma multa para uma primeira “ofensa” e uma pena de prisão para reincidentes.

Perseguição religiosa

O Azerbaijão ocupa o 34º lugar na Lista de 2016 do Ministério Portas Abertas. A lista classifica os 50 países onde se é mais difícil ser cristão. Embora a constituição seja relativamente flexível com os cristãos, as frequentes emendas e interpretações subjetivas da lei causam problemas.

As igrejas registradas estão sujeitas a um “re-registro” regular e obrigatório, e cada vez menos igrejas se inscrevem, escolhendo em vez disso ir para a clandestinidade. O regime é muito protetor da sua reputação, muitas vezes convidando funcionários estrangeiros e organizações de direitos humanos, mas os estrangeiros não têm permissão para visitar igrejas não registradas.

Forte multas são distribuídas por posse de literatura religiosa ou atividades não registradas. Infiltração de igrejas e sentenças de prisão curtas também são usadas ​​para alimentar suspeitas e lutas internas.

veja também