"Deus usará este 'inferno' para realizar milagres", diz cristão sobre perseguição na Síria

Segundo o analista de segurança nacional, Ryan Mauro, a fé dos cristãos tem aumentado mesmo com o massacre realizado pelo Estado Islâmico.

fonte: Guiame, com informações do CBN News

Atualizado: Segunda-feira, 20 Março de 2017 as 2:23

Mauro comenta que a fé dos cristãos na Síria está aumentando. (Foto:
Mauro comenta que a fé dos cristãos na Síria está aumentando. (Foto:

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) ainda passa pelo Iraque e pela Síria, devastando cidades e famílias inteiras. Mas, isso não fez com que os cristãos fiéis deixassem de confiar em Deus para restaurar suas vidas. Ryan Mauro é analista de segurança nacional e deu um parecer após atravessar a antiga cidade de Qaraqosh.

"Vemos a destruição à nossa volta", disse. Enquanto os militantes do EI tentam se espalhar por todos os lugares, eles dizem que seu alvo favorito é o povo cristão. Por esse motivo, eles derrubam casas cristãs e incendeiam igrejas. No entanto, os cristãos continuam firmes.

"Em uma ocasião, cheguei a ouvir a frase: ‘Nós não adoramos a um Deus de prédios, mas nosso Deus está presente aqui’, disse enquanto apontava para o coração", lembrou o analista sobre um cristão local.

Uma fé maior

Mauro ainda comenta que tem percebido um aumento na  fé dos cristãos na Siria e diz que ela está mais forte do que antes. "As pessoas que eu conheci em Qaraqosh foram inflexíveis sobre a questão da fé e disseram que ela está cada vez mais forte. Eles querem reabrir as igrejas que foram queimadas e preenchê-las com uma multidão ainda maior do que antes”, ressaltou o analista de segurança nacional.

"Para eles, Deus usará esse inferno que eles suportaram para realizar um milagre", pontuou. Enquanto eles não sabem o que o futuro lhes reserva, muitos cristãos e combatentes na linha de frente estão procurando ajuda na América.

"Os curdos, a minoria curda Kakai e os cristãos me pediram que eu levasse uma solicitação ao Presidente Trump. Que ele viesse visitá-los pessoalmente e que os EUA fornecessem apoio político e militar. Eles pediram também uma zona segura para a minoria perseguida, pois esse povo precisa ser um alvo oficial da política dos EUA", disse Mauro. Enquanto isso, eles continuam orando pelo dia em que suas cidades serão restauradas.

veja também