Divertida Mente e a tristeza dos cristãos

O novo filme da Pixar nos lembra que o sentimento é muitas vezes necessário

fonte: Guiame com tradução de Christianity Today

Atualizado: Quinta-feira, 23 Julho de 2015 as 6:59

"No Ocidente protestante de hoje", escreve o teólogo Ben Myers, "ser sorridente tornou-se um imperativo moral. O sorriso é considerado como a externalização objetiva de uma vida bem-ordenada. Tristeza é o fracasso moral. "

Isto é especialmente verdadeiro para os evangélicos. Salvar nossas melhores "caras" para domingo de manhã; esconder segredos terríveis e sofrimento indizível por trás do verniz de um aperto de mão firme e um "tudo bem." Nossos sorrisos bravos evidenciam nossa fé no culto da felicidade cristã. "Churchliness Evangélica", escreve Myers, "é a ritualização de sorriso dentado".

Mas este não era o jeito de Jesus. As Escrituras nunca fala de Jesus sorrindo, embora ele certamente chorou. Em vez disso, a Escritura chama Jesus de "o homem de dores, experimentado no sofrimento." Jesus - que sabia melhor do que ninguém a promessa de eterna alegria - não era um mensageiro alegre de felicidade cósmica, mas um servo sofredor. Os ícones da tradição da igreja nunca mostram um Cristo sorrindo. Ele olha para nós com um olhar muito além de toda a felicidade e frivolidade. É o olhar de pura alegria, tingida com tristeza: ela é tão diferente de nossos sorrisos domingo rebocadas de dentes brancos.

A relação entre a alegria e a tristeza é o centro do novo filme de Pixar, Divertida Mente. O filme nos leva para dentro da cabeça de uma menina de 11 anos chamada Riley e descreve suas emoções como personagens antropomórficos. A principal delas é Alegria, que tem dominado as experiências da infância de Riley até agora. Alegria e as outras emoções de Riley nunca souberam bem o que fazer com Tristeza, retratado como um blob azul e dublado por Phyllis Smith com cativante desânimo. A situação muda, porém, quando Riley e seus pais se mudam de sua pequena cidade em Minnesota para São Francisco, onde seu pai começou um novo emprego. As emoções de Riley lutam para lidar com a agitação de um movimento de montanha russa. Inicialmente, Riley tenta jogar sua tristeza fora, mas, gradualmente, ela aprende a aceitá-la como parte integrante de sua identidade.

A cerne de Divertida Mente é reconhecimento suave da função importante da tristeza em uma pessoa emocionalmente saudável. Tristeza não é retratado como uma emoção negativa. Não é um mal necessário para ser empurrado para longe até que seja absolutamente inevitável. Em vez disso, Riley precisa de tristeza. É a única resposta apropriada ao tumulto e confusão que ela sente.

Tristeza no filme e na vida real pode ser uma emoção positiva. Não é a ausência de alegria, ou, uma recusa teimosa de olhar apenas para o lado positivo. Em seu lugar, a tristeza é apenas direita. Nesses momentos, nenhuma outra emoção consegue tomar espaço.

O teólogo americano Jonathan Edwards ensinou que "a verdadeira religião consiste em santos afetos" Edwards define "afetos" como nossas emoções mais profundas, nossas aspirações mais poderosas e motivações. Nossas ações, disse ele, são motivadas por nossos afetos e na vida cristã pode ser entendido como o realinhamento em curso de nossas afeições para refletir a realidade de Deus e do nosso lugar no seu mundo. A verdadeira religião, diz Edwards, se manifesta em "afetos corretamente ordenados."

O crente com afeições justamente ordenadas encontrará tristeza como seu companheiro freqüente. A vida cristã começa com tristeza por nosso próprio pecado e ela continua durante toda a nossa vida como se camada após camada de nossa alma fosse revelada para nós. Muito do sofrimento do salmista é deste tipo. "Estou fraco e esmagado", ele canta. "Eu gemo por causa do tumulto do meu coração" (Sl 38: 8.). O desespero e a tristeza de arrependimento é o pré-requisito necessário para a alegria da restauração. Quarta-feira de cinza sempre precede o Domingo de Páscoa.

Com os nossos olhos abertos para a situação do mundo nosso foco começa a se afastar de nossas próprias preocupações e desejos e para as necessidades de outras pessoas. Nós encontramo-nos rodeados de pessoas para se lamentar e com situações terríveis para se reclamar. A dor de Jesus nos evangelhos é um bom exemplo. Ele chorou ao terrível sofrimento que viu ao seu redor e a dureza do coração das pessoas.Como estamos conformados à imagem de Cristo, choramos com ele. Atender a tristeza do mundo com respostas fáceis ou platitudes otimistas não só é insensível, mas também uma afronta à tristeza divina de Jesus, que sempre chora com os que choram e seu sofrimento não é menos amargo do que a deles é.

O caminho para a alegria cristã é conduzida através da tristeza. Nas primeiras cenas de Divertida Mente a Alegria mantém-se tentando garantir que os desejos de Riley são supridos e que o equilíbrio é mantido em felicidade. Mas, como a história se desenrola, a própria Alegria passa por uma transformação. Ao permitir a Tristeza ocupar um papel mais fundamental na experiência de Riley, Alegria descobre uma versão mais transcendente de si mesma que ela nunca tinha conhecido antes, ilustrado de maneira pungente no clímax do filme.

Antes, Alegria só tinha se preocupado com a felicidade de Riley, a satisfação dos desejos de Riley. Mas a verdadeira Alegria não conseguia satisfazer o desejo. Em seu livro Salvação In My Pocket, Ben Myers fala de alegria como a purgação do desejo. "Alegria não cumprir o desejo, mas ultrapassa-lo majestosamente." Porque a alegria vem pela negação dos nossos desejos, que está estreitamente ligada ao sofrimento e deficiência. Como o pregador disse: "Melhor é a mágoa do que o riso, porque a tristeza do rosto do coração é feito contente" (Eclesiastes 7: 3.). Só depois que o desejo e seus prazeres inerentes forem arrancados somos livres para reconhecer a fonte da verdadeira alegria: os olhos tristes de Jesus. Corretamente organizados, nossos desejos são satisfeitos nele.

A nossa fé baseia-se em tristeza. À medida que crescemos no serviço de Cristo começamos a nos reconhecer no triste olhar de Cristo. A tristeza de Jesus exemplifica a tristeza dos cristãos em todos os lugares e através dela o mundo inteiro está redimido. A tristeza de Jesus não é uma tristeza final: a Bíblia também promete o fim da tristeza, e o fim das lágrimas de todos: "Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados" (Mt 5: 4.).

Ethan McCarthy vive em Chicago com sua esposa e dois filhos. Ele ganhou uma M.Div de Trinity Evangelical Divinity School e trabalha como assistente editorial na InterVarsity Press.

veja também