Donald Trump afirma que tem um "grande relacionamento" com Deus e evangélicos

"Eu vivo uma vida muito diferente do que provavelmente um monte de gente iria pensar", afirmou Trump.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 18 Janeiro de 2016 as 7:02

Donald Trump fala na Convenção Coalition South Carolina Tea Party em Myrtle Beach, Carolina do Sul em 16 de janeiro de 2016.
Donald Trump fala na Convenção Coalition South Carolina Tea Party em Myrtle Beach, Carolina do Sul em 16 de janeiro de 2016.

O candidato presidencial do Partido Republicano Donald Trump tem insistido em uma entrevista que ele tem um "ótimo relacionamento" com Deus, e que as pessoas iriam se surpreender ao descobrir o tipo de vida que ele realmente vive. Trump disse em "State of the Union" da CNN no domingo, 17, que ele goza de uma "grande relação com Deus" e com os eleitores evangélicos, olhando para frente no próximo primário em Iowa.

"Eu vivo uma vida muito diferente do que provavelmente um monte de gente iria pensar", afirmou Trump. "Eu estou falando sobre os últimos anos, estou levando uma vida muito boa. Eu tento levar uma vida boa e eu tenho conseguido”, disse.

A CNN observou que Trump, que agora está casado com sua terceira esposa Melania, viu seu casamento e divórcio "preencher as páginas de fofocas" na década de 1990, embora o empresário bilionário diz que esses problemas estão agora atrás dele.

"Eu tive, na verdade eu tenho um grande casamento, eu tenho uma grande mulher agora. Minhas duas esposas eram muito boas e eu não as culpo, mas eu estava trabalhando, talvez como você, 22 horas por dia", ele disse. "Eu me culpo porque o meu negócio era tão poderoso para mim. Eu não sei se isso é uma coisa boa ou uma coisa má", relatou.

Religioso

No início de 2015, antes dele anunciar sua campanha presidencial, Trump disse que é um “Presbiteriano orgulhoso” e prometeu representar os cristãos no cargo. "Primeiro de tudo eu sou protestante. Eu sou presbiteriano. Eu tenho orgulho disso. Estou muito orgulhoso dele", disse Trump na CBN em junho. "Acredite em mim, se eu correr e eu ganhar, vou ser o maior representante dos cristãos que já existiu em um longo tempo".

Mais tarde, em Julho, no entanto, ele revelou que ele não tem certeza se ele já pediu perdão a Deus. "Eu não tenho certeza se eu já pedi perdão a Deus", disse Trump ao responder a uma pergunta na Cúpula de Liderança da Família em Ames, Iowa.

O candidato republicano acrescentou: "Quando eu vou à igreja e quando eu bebo meu pouco vinho e ter o meu pequeno biscoito, eu acho que é uma forma de perdão. Eu faço isso tão frequentemente como eu posso, porque eu me sinto limpo”.

Contraponto

Em setembro, Trump tentou fortalecer sua imagem em uma reunião privada com 40 líderes religiosos, onde ele disse que ele é um “homem de fé". Essa reunião foi criticada por Russell Moore, presidente da Ética e Comissão de Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul. No entanto, ele disse que Trump reuniu-se com as pessoas que os evangélicos tradicionais considerariam hereges.

"As pessoas que Trump tem até agora identificadas como seu alcance evangélico são principalmente os tipos que pregam o evangelho da prosperidade, que são considerados heréticos pelos evangélicos tradicionais", disse Moore.

"Trump parece estar se posicionando como uma versão secular dos televangelistas. O que Donald Trump está fazendo em termos de promessas para o futuro é muito semelhante ao que está acontecendo entre estes vendedores ambulantes do evangelho da prosperidade", acrescentou.

veja também