Ebola mata médico cristão que trabalhou na África durante surto

A doença já matou pelo menos 5.177 pessoas, sobretudo em Serra Leoa, Libéria e Guiné.

fonte: Guiame

Atualizado: Segunda-feira, 17 Novembro de 2014 as 7:53

O médico cirurgião Martin Salia, que morava nos Estados Unidos, contraiu o vírus enquanto trabalhava no hospital de Freetown, capital de Serra Leoa. Ele era o médico-chefe do Hospital de Kissy, da Igreja Metodista de Serra Leoa, quando foi o diagnóstico do Ebola foi confirmado.

O médico estava com sintomas avançados, incluindo insuficiência renal e respiratória, quando chegou no Centro Médico de Nebraska, neste sábado (15), conforme informou o hospital em um comunicado. Funcionários do hospital afirmaram que ele estava gravemente doente depois de ser levado de helicóptero da África Ocidental para os Estados Unidos. 

"O estado do Doutor Salia era extremamente crítico quando ele chegou aqui, e infelizmente, nossos melhores esforços não foram capazes de salvá-lo", disse o Doutor Phil Smith, diretor médico da unidade de biocontenção do Centro Médico de Nebraska.

Salia, de 44 anos, foi o terceiro paciente de Ebola tratado pelo hospital de Nebraska, e o décimo caso do vírus conhecido nos Estados Unidos.

O atual surto de Ebola é o pior já registrado. A doença já matou pelo menos 5.177 pessoas, sobretudo em Serra Leoa, Libéria e Guiné, de acordo com os últimos dados da Organização Mundial de Saúde.

Com informações de Charisma News / www.guiame.com.br

veja também