Em pesquisa, quase 40% das pessoas afirmam "não ter religião"

Neste grupo, o pesquisador David Kinnaman incluiu os "sem-igreja", os que nunca foram à igreja e os céticos.

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Terça-feira, 28 Outubro de 2014 as 10:09

Em pesquisa, quase 40% das pessoas afirmam "não ter religião"

Um estudo recente, liderado pelo pesquisador norte-americano David Kinnaman indicou que dos entrevistados afirmam "não ter religião". Neste grupo, David incluiu os "sem-igreja", os que nunca foram à igreja e os céticos.

"Sem Igreja" também é o título do novo livro de Kinnaman. Por sua contagem, cerca de quatro em cada 10 pessoas que vivem no território continental dos Estados Unidos são, na verdade, "pós-cristãos" e "essencialmente seculares na crença e na prática".

Se solicitado, o "sem igreja" iria verificar a provável opção "cristão" em uma pesquisa, mesmo que eles não tenham passado em frente a um igreja há anos.

Kinnaman, presidente do Grupo Barna com sede na Califórnia, criou esta nova categoria com base em 15 medidas de identidade, crença e prática em mais de 23 mil entrevistas em 20 inquéritos.

A pesquisa analisou a frequência das pessoas em cultos, pontos de vista sobre a Bíblia, Deus e Jesus e mais, para ver se as pessoas estavam realmente ligadas à vida cristã de uma maneira significativa ou mais por hábito ou história pessoal.

Ed Stetzer, presidente da LifeWay Research explicou que muitos continuam seguir o cristianismo, mesmo que este não seja mais praticado por eles.

"Eles não querem cortar os laços com os seus pais ou percorrer todo o caminho para o ateísmo, então eles apenas dizem que são 'cristãos', pois é a categoria padrão de seu patrimônio", disse.

Kinnaman agora tem os números para fazer isso.

"Estamos longe de nos tornarmos uma nação de ateus", disse ele. "Há dezenas de milhões de crentes ativos na América do Norte hoje. Mas a parede entre os que frequentam a igreja e os sem igreja está crescendo mais e mais impenetrável à medida que mais pessoas não têm memória do que significa ser um freqüentador regular em uma casa de culto".

Stephen Mockabee, um professor associado de ciência política na Universidade de Cincinnati, comparou a freqüência à igreja a um período de medicação: "Não é só o remédio, mas também a dose que importa".

Os "sem igreja" surgem em diversas tribos, de acordo com Kinnaman.

Cerca de um terço (32%) ainda se identificam como cristãos. Eles dizem acreditar em Deus, mas eles não são firmes em suas conexões. Kinnaman os chama de "cristianizados, mas não muito ativos".

Isso pode incluir Katie West, de Mount Sterling (Ky.) ou Mike Wilson de Webster City (Iowa).

West mantém o rótulo cristão e se considera uma "pessoa espiritual", mesmo que não leia mais a Bíblia.

"Eu sigo ou pelo menos tentar seguir os ensinamentos de Cristo", disse.

Katie tambem confessou que evita frequentar cultos "a menos que sejam de noivado, casamento ou funeral".

Já Wilson é o webmaster pago por uma igreja luterana, mas ele não consegue se lembrar da última vez que participou de um culto ou leu a Bíblia. Em uma pesquisa, ele marca a opão "cristão", mesmo que se identifique mais mais com o budismo e outras filosofias orientais.

"A religião é o ponto de partida para a iluminação, mas em algum ponto você tem que dar aquele salto de fé e fazer o seu relacionamento pessoal com Deus exatamente isso: pessoal", disse Wilson. "Então, se você pode encontrar uma religião que engloba isso melhor do que o cristianismo, vou dizer que faço parte desta outra religião"

Outras "tribos" entre os sem igreja incluem:

* 25 por cento são ateus auto-identificados ou agnósticos. Kinnaman os chama de "céticos". E suas fileiras têm mudado nas últimas duas décadas. O percentual de mulheres é de até 43 por cento, sendo que em 1993 era de 16 por cento. Altamente educadas e mais conectadas do que antes "este grupo está aqui para ficar", disse ele.

* 27 por cento pertencem a outros grupos religiosos, como judeus ou muçulmanos, ou denominam-se espirituais, mas não religiosas.

* 16 por cento são cristãos - pessoas com uma relação de compromisso com Cristo, disse Kinnaman - que não vão mais à igreja.

Kinnaman prevê nenhuma mudança de direção. Ele concluiu: "A mais nova geração, mais pós-cristã é":

* Secularistas (nascidos entre 1984 e 2002) - 48 por cento
* Geração X (nascidos entre 1965 e 1983) - 40 por cento
* "Boomers" (nascidos entre 1946 e 1964) - 35 por cento
* Anciãos (nascido em 1945 ou anterior) - 28 por cento

Karen King, de 52 anos, uma programadora de envio para uma agência de trânsito local em Mount Vernon (Washington), Sabe que seu estado está entre os menos "igrejados" na nação. No entanto, entre as multidões secularistas, há uma abundância de fiéis.

"Eu sei porque eu programar as pessoas para chegar a igrejas através de da via Dial-A-Ride. Deve haver 40 ou 50 igrejas entre Mount Vernon e Burlington nas proximidades".

Mas King não vai para nenhuma destas igrejas.

Neta de um pastor presbiteriano, ela diz que ela não foi mais à igreja para um culto de adoração em mais de 30 anos. Sua filha, uma secularista também não frequenta os cultos.

Embora King ainda pense em si mesma como uma cristã, ela "desistiu de se filiar a qualquer denominação".

"Eu faço atos aleatórios de bondade. Eu falo com Deus, quando eu acho que eu preciso. Acho que tenho uma boa conexão com a Mãe de Deus e Deus Pai", disse.

 

veja também