Escola dos EUA cancela culto de oração após reclamações de grupo ateu

A escola teve de cancelar o culto de "volta às aulas" para os alunos e transferiu o evento para a Primeira Igreja Batista em Ocean Springs, para evitar um processo judicial.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quinta-feira, 11 Agosto de 2016 as 1:37

Depois de receber a carta, o distrito escolar decidiu transferir o evento para uma igreja. (Foto: Pixabay).
Depois de receber a carta, o distrito escolar decidiu transferir o evento para uma igreja. (Foto: Pixabay).

Um culto de oração de “volta às aulas”, que seria realizado em uma escola pública do Mississippi (EUA), foi cancelado e transferido para uma igreja, depois que um grupo ateu enviou uma carta, alegando que o evento apoiava uma religião e que isso configura como violação da Constituição Americana.

A “Oak Park Elementary School” em Ocean Springs, Mississippi (EUA) iria sediar o culto no dia 2 de agosto, mas o grupo ateu “Freedom From Religion Foundation” (Fundação Liberdade da Religião, em tradução livre) alegou que o distrito escolar da cidade iria fazer parcerias com igrejas locais.

O grupo ateu enviou uma carta para a superintendente Bonita Coleman-Potter pedindo para cancelar o evento, dizendo que é "uma flagrante violação da Cláusula de Estabelecimento" sob a Primeira Emenda.

"Está bem claro pelos tribunais que os funcionários de escolas públicas não podem conduzir ou incentivar os alunos a se envolverem com orações. O Supremo Tribunal tem continuamente derrubado a oração formal", disse Rebecca Market na carta.

O grupo pontuou que a participação da superintendente se tornou questionável. "O evento de oração é uma violação notória", disse Rebecca. "O evento é patrocinado pela escola e na verdade, você, como a superintendente, está promovendo um ritual religioso. Não importa que o evento ocorra fora do horário letivo, porque orações em outros eventos depois da escola, como o futebol, jogos e formaturas, são inconstitucionais, segundo o Supremo Tribunal dos Estados Unidos", escreveu.

Ela também afirmou que "a parceria com igrejas locais para realizar esse culto de oração, constitui também em uma mistura entre governo e religião". A participação de Coleman era uma indicação de que o distrito escolar "subscreve a mensagem que está sendo dada", acrescentou.

Depois de receber a carta, o distrito escolar decidiu transferir o evento para uma igreja. Para evitar um processo judicial, Coleman mudou o culto para a Primeira Igreja Batista em Ocean Springs.

veja também