Estamos em luta, mas não em guerra

O que o espírito protestante-evangélico não entende é que a última consequência por crer e viver de modo tão radical sua fé não é a morte dos inimigos, mas a morte de si mesmo

fonte: Guiame, Alexandre Robles

Atualizado: Segunda-feira, 16 Março de 2015 as 12:05

Ator Bradley Cooper no filme Sniper Americano
Ator Bradley Cooper no filme Sniper Americano

Li a resenha que um blogueiro fez do filme "American Sniper: lobos e ovelhas". Diz ele que o Diretor quis mostrar o preço pago por um homem com firmeza de princípios e opinião que vive num mundo relativizado; que aqueles que defendem princípios morais numa sociedade relativista, acabam por serem considerados fundamentalistas. E afirma que o soldado que fica conhecido por sua fama de matar, estava na verdade defendendo milhares de pessoas em cada tiro certeiro contra o inimigo.

A questão central do Evangelho é que Jesus nos ensinou que devemos sim ter fundamentos e opinião, que devemos sim pregar a Justiça e que ao fazermos isso entraríamos em conflito, seríamos perseguidos, chegando ao isolamento solitário em muitos casos.

A diferença entre o soldado americano, filho de evangélicos que decide ir às ultimas consequências por aquilo que crê é, de fato, esta última consequência.

O que o espírito protestante-evangélico não entende é que a última consequência por crer e viver de modo tão radical sua fé não é a morte dos inimigos, mas a morte de si mesmo.

Jesus ensinou que no conflito contra os inimigos, Ele não mata, mas morre.

Jesus não nos convocou à Guerra, mas ao Sacrifício.

O martírio da Igreja é seu sinal mais contundente da presença do Reino de Deus no mundo.

Não confundamos, estamos em Luta, não em Guerra.

Foi porque Jesus decidiu não matar o inimigo, mas morrer em seu lugar, que hoje estou vivo, eu, um de seus maiores inimigos.


.

veja também