Estudante cristã denuncia atividade escolar que exigiu que ela afirmasse que "Deus é um mito"

Jordan Wooley tem recebido o apoio de diversos cidadãos e até mesmo do governador do Texas, Greg Abbot, após confrontar sua professora, que pediu que ela reconhecesse que "Deus é um mito" e reafirmar sua fé cristã.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 29 Outubro de 2015 as 9:09

A estudante Jordan Wooley exibe a folha com a atividade polêmica, que exigia que ela afirmasse que "Deus é um mito". (Imagem: Fox 26)
A estudante Jordan Wooley exibe a folha com a atividade polêmica, que exigia que ela afirmasse que "Deus é um mito". (Imagem: Fox 26)

Uma estudante cristã de 12 anos, do Distrito Escolar 'Katy Independent' (Texas / EUA) e sua mãe estão agora lutando, depois de terem reagido à atitude de uma professora, que disse aos alunos da sua turma que "Deus é um mito" e que "é errado a apresentar a idéia de Deus como um fato".

Jordan Wooley, uma aluna da sétima série, na escola 'West Memorial Junior High', disse à emissora FOX 26 que os alunos de sua classe - muitos dos quais também são cristãos - participavam de uma atividade de sala de aula, para diferenciar entre fatos e opiniões.

Quando se tratava de um item na atribuição que afirmava "Há um Deus", Jordan disse à professora que a declaração é factual, com base em sua religião, mas a professora "corrigiu" a aluna.

"Eu lhe disse que era um fato, que é verdade, com base na minha religião, e ela disse que eu estava errada", disse Jordan à FOX 26.

Jordan insistiu, por sua crença, na demonstração de como a existência de Deus é um fato e rapidamente contou sobre o desafio para sua mãe.

"A maioria das crianças ali acreditava em Deus", disse a mãe de Jordan, Chantel Wooley à FOX 26, "e uma professora está lhes dizendo que não há Deus".

Jordan explicou que depois que ela e outros alunos discutiram com a professora sobre a declaração, a professora revelou que a tarefa foi um ponto polêmico entre seus alunos, em todas as suas aulas, naquela segunda-feira.

"Eles ficaram realmente muito chateados. Jordan me disse que um garoto bateu seus livros sobre a mesa e ele queria que [o debate] parasse. Um outro garoto foi para casa chorando", disse Chantel Wooley.

Jordan levou a questão para o Conselho Escolar do distrito de 'ISD Katy', naquela segunda-feira à noite, mas quando os membros do conselho escolar começaram a fazer-lhe perguntas, a Superintendente Alton Frailey terminou a discussão.

"Eu posso dizer-lhe que, enquanto ela estava lá em cima, ouvindo a diretoria da escola, eu estava chorando", disse Chantel Wooley. "Aqui está a minha filha, mais corajosa que a maioria dos adultos, falando sobre sua fé e como ela se sentiu violada na escola".

A mãe descontente também observou que ela estava surpresa que ela estava lutando esta batalha a respeito de Deus, no Texas.

"Em Nova York, Califórnia, Vermont (os Estados liberais), eu poderia totalmente ver isso como algo 'normal'. Mas, em Houston, Texas, onde frases como 'que Deus abençoe os EUA' e 'Não brinque com Texas' são normais, você sabe, o Texas está mexendo com a minha filha", disse ela.

Reagindo ao furor sobre a atribuição, o o governador do Texas, Greg Abbott elogiou Jordan por falar contra sua professora.

"Estou orgulhoso do compromisso inflexível desta garota com Deus. Ela é uma texana durona", observou o governador em um tweet.

veja também