Evangélica é expulsa do país por participar de cultos domésticos, no Uzbequistão

Tatyana Bezhenova foi deportada sem decisão judicial e multada depois que a polícia invadiu a reunião cristã.

fonte: Guiame, com informações do Christian Telegraph

Atualizado: Quarta-feira, 24 Maio de 2017 as 12:04

No dia 4 de abril, as autoridades deportaram Bezhenova de volta à Rússia. (Reprodução).
No dia 4 de abril, as autoridades deportaram Bezhenova de volta à Rússia. (Reprodução).

No início de abril, uma mulher protestante foi deportada para a Rússia sem decisão judicial. O motivo? Ela participava de uma reunião cristã em um apartamento na capital do Uzbequistão, Tashkent. A polícia invadiu a reunião, apreendeu livros cristãos e Bíblias. Isso provavelmente aconteceu devido a informações de um informante. A dona da casa foi multada.

Os oficiais de polícia e os oficiais da alfândega apreendem com frequência livros cristãos, afirmando que eles são "ilegais". No dia 24 de março, sete funcionários, incluindo três policiais uniformizados, invadiram a casa de Yelena Potorochina, uma protestante no distrito de Yakkasaray, em Tashkent.

No apartamento, cinco mulheres evangélicas estavam se reunindo para discutir a fé cristã, liderada por uma cidadã russa Tatyana Bezhenova. O filho de Yelena também estava no apartamento durante o ataque.

Os funcionários incluíram o chefe da polícia antiterrorismo do distrito de Yakkasaray, Azamat Nabirayev, e o major da polícia do distrito de Yakkasary, Ramiz Fozilov, com os inspetores de polícia Toirzhon Pakhruddinov e Zhamoliddin Karshibayev. Eles procuraram a casa de Yelena e confiscaram quatro livros cristãos, incluindo dois novos testamentos, 12 cadernos com notas pessoais escritas pelas participantes, um computador portátil, um disco rígido de computador de mesa e uma câmera digital. Qualquer literatura impressa ou eletrônica encontrada é confiscada e aqueles que possuem os textos são punidos.

Os oficiais também confiscaram o passaporte russo de Bezhenova. No dia 30 de março, a mulher russa prestou queixas na Administração Presidencial e no Ministério Público do Distrito de Yakkasaray.

O inspetor da polícia do distrito de Yakkasaray, Karshibayev, não quis discutir o caso e encaminhou o inquérito ao chefe de polícia antiterrorismo do distrito, Nabirayev. Quando perguntado por que a polícia invadiu a casa de Yelena e confiscou propriedades particulares, ele alegou que eles devolveram tudo para a mulher.

No dia 3 de abril, o juiz Timur Kasymov, do Tribunal Penal do Distrito de Yakkasaray declarou que Yelena era culpada por violar o Artigo 240 do Código Administrativo: Realização de atividades religiosas não autorizadas, evasão de líderes de organizações religiosas, organização não autorizada e conduta de culto por parte de ministros religiosos, bem como a organização e realização de reuniões especiais para crianças e jovens, bem como a formação profissional, literatura e outros grupos de estudo não relacionados com o culto.

No dia 4 de abril, as autoridades deportaram Bezhenova de volta à Rússia, mas sem uma ordem judicial legalmente exigida. Ela também recebeu seu passaporte naquele dia.

veja também