Evangélicos e católicos se juntam na França para ajudar refugiados

Durante os próximos seis meses, as organizações estarão trabalhando em Marrocos e Etiópia para realocar os refugiados para a Itália com o apoio do Ministério das Relações Exteriores da Itália.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Sexta-feira, 18 Dezembro de 2015 as 3:15

Refugiados mediterrâneos (Imagem: Reuters)
Refugiados mediterrâneos (Imagem: Reuters)

Evangélicos e católicos na Itália estão se unindo para criar um "corredor humanitário" para os refugiados, de acordo com o Crux News Service. O corredor é um projeto realizado em conjunto da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, a Tavola Valdese, uma igreja cristã reformada, e movimento católico italiano Sant'Egidio.

Durante os próximos seis meses, as organizações estarão trabalhando em Marrocos e Etiópia para realocar os refugiados para a Itália com o apoio do Ministério das Relações Exteriores da Itália.

Marco Impagliazzo, presidente da Sant'Egidio, disse: "Este é um projeto experimental que vai tentar impedir a morte no mar e tráfico, além de ajudar aqueles que estão em situação de extrema vulnerabilidade". Até agora, em 2015, 3.619 pessoas morreram nas rotas em todo o Mediterrâneo a partir da África para a Europa. Muitos refugiados estão em necessidade desesperada e têm enfrentado graves dificuldades em seu caminho para seu porto de partida.

O programa tem escritórios criado em Marrocos e no Líbano e quer abrir outro na Etiópia dentro de seis meses. Os candidatos serão selecionados pelas autoridades locais e os aprovados receberão vistos para a Itália. As organizações cristãs fornecerão transporte, hospedagem, alimentação, cuidados de saúde, aulas de italiano, além de ajudar a encontrar um emprego para se integrar em suas novas comunidades.

"Desta forma, aqueles que têm o direito de fazê-lo vai finalmente ser capaz de entrar em nosso país evitando as viagens de morte", disse Impagliazzo.

Unidade Cristã

Eugenio Bernardini, o porta-voz da Tavola Valdese disse que sua igreja está comprometida com gastos de mais de um milhão de euros no projeto, e vai gastar mais, se necessário. "Se os cristãos não fizerem isso, quem o fará?" ele disse. "Nós estamos tentando ficar a serviço dos últimos, dos mais necessitados, aqueles que precisam de refúgio", relatou.

Ele disse que gostaria de ver outras igrejas cristãs na Europa "sendo corajosas e tendo fé”, tomando iniciativas semelhantes. "Muito é dito sobre a unidade cristã", disse Impagliazzo. "Este projeto demonstra que nós, os cristãos já estão unidos na proteção daqueles em maior risco", finalizou.

veja também