Ex-gay lança campanha para impedir que homossexual cometa suicídio: "Há esperança para Sebastien"

O caso de 'Sebastien', que quer ter direito à eutanásia por não suportar mais viver na homossexualidade, tem gerado comoção na internet. O escritor e pesquisador cristão Claudemiro Soares divulgou um vídeo, no qual faz um apelo ao cidadão belga e pede que ele não se mate.

fonte: Guiame, por João Neto

Atualizado: Sexta-feira, 24 Junho de 2016 as 1:40

Especialista em Políticas Públicas (UFG), Mestre em Saúde Pública (Fiocruz) e professor universitário, o escritor e pesquisador adiantou que está desenvolvendo uma abordagem terapêutica para "prevenir e tratar a Homossexualidade Egodistônica e a pseudo-homossexualidade". (Foto: Arquivo Pessoal).

A notícia de que um cidadão belga de 39 anos quer autorização do governo para cometer um suicídio assistido por meio da eutanásia comoveu milhares de internautas nos últimos dias. O homem que prefere não mostrar o rosto e quer ser chamado apenas de Sebastien afirmou que não suporta mais viver na homossexualidade e prefere morrer a continuar sendo gay.

Noticiado anteriormente também pelo Guiame, o caso gerou uma comoção generalizada e levou muitos internautas a expressarem sua preocupação, enviando mensagens de apoio ao homem.

"Sebastian. Não faça isto Deus te ama.. Deus pode mudar sua historia faça um propósito com Deus... procure socorro no senhor. Ele é bem presente na hora da nossa angústia. Estaremos intercedendo por você...", comentou uma internauta na fanpage do Guiame.

"O senhor pode mudar toda sua história e VC será um testemunho para muitos, ele faz nova todas as coisas", disse outra usuária da mídia social.

Tendo já comentado o caso de Sebastien anteriormente, o escritor e pesquisador cristão Claudemiro Soares divulgou na noite da última quinta-feira (23), um vídeo em inglês, no qual faz um apelo ao cidadão belga.

Ex-gay, Claudemiro tem se empenhado em compartilhar seu testemunho de transformação e também tem estudado sobre a situação de homossexuais egodistônicos (insatisfeitos com a homossexualidade, como no caso de Sebastien).

"Sebastien, eu seu como você se sente, porque eu também já fui gay e sofri muito por não querer me sentir atraído por pessoas do mesmo sexo. Mas há 20 anos, eu me libertei completamente da atração homossexual. Eu sei que você passou por 17 anos de terapia e ainda não encontrou o que você está procurando. Mas eu estou aqui para te pedir: Por favor, não se mate antes de ouvir a minha história. Eu acho que posso te ajudar", disse Claudemiro no vídeo.

Na descrição do vídeo, o escritor também apresenta o seu livro "Homossexualidade Masculina: Escolha ou Destino?" e também faz um apelo ao governo da Bélgica que não "matem" Sebastien.

"Apelo, também, às autoridades belgas para que elas NÃO matem esse homem de apenas 39 anos, sem que antes ele tenha conhecido pessoas como eu, que há décadas se livraram do homossexualismo. Coloco-me à disposição desse indivíduo e do governo de seu país para ajudá-los a entender e tratar essa indesejada atração sexual", afirmou.

"Esse entendimento poderá livrá-lo dos desejos e afetos homoeróticos. Ajudem a divulgar essa mensagem de esperança até que ela chegue ao 'Sebastien'. Nós podemos ajudar a salvar esse homem! Faça sua parte!", disse.

Confira o vídeo abaixo:


Contexto

Atualmente, no Brasil, os Conselhos de Psicologia não permitem que os profissionais da área ajudem homossexuais egodistônicos a mudarem sua conduta sexual. Porém, um projeto de lei PL 4.931 / 2016, de autoria do deputado federal Ezequiel Teixeira (SD - RJ) tem como objetivo, dar mais autonomia aos terapeutas e pacientes em casos como este.

"A literatura especializada comprova que Homossexuais egodistônicos preferem a morte ao invés de praticarem o homossexualismo. As autoridades preferem matar esses indivíduos em vez de autorizar o tratamento para mudança de orientação sexual. Isso é justo? No Brasil, milhares de homossexuais egodistônicos cometem o suicídio porque os Conselhos de Psicologia proíbem o tratamento da homossexualidade egodistônica. Até quando?!", questionou anteriormente Claudemiro Soares.

Um dos casos mais conhecidos no Brasil é o da psicóloga cristã Marisa Lobo, que chegou a ser julgada pelo Conselho Regional de Psicologia, por atender homossexuais egodistônicos e dar a ajuda que eles tanto bucavam. A terapeuta foi acusada de usa promover a chamada "cura gay".

Posteriormente a acusação chegou a ser retirada do processo, porém um novo fator - de que a profissional estaria fazendo uso de religião para influenciar seus pacientes - levou à cassação de seu registro em maio de 2014.

"Desde o começo eles (Conselho) inventaram a questão da cura gay, porque eu falo tecnicamente contra a ideologia de gênero e outras aberrações que o Conselho quer enfiar goela abaixo de todo o povo. O Conselho me perseguiu, porque eu o estava denunciando e não por causa de 'cura gay' - tanto que eles mesmos tiraram isto do processo e se focaram contra a questão da psicologia cristã. Então ficou claro que era um caso de perseguição religiosa", destacou anteriormente Marisa, em uma entrevista exclusiva ao Guiame.

A Justiça do estado do Paraná anulou no mesmo ano, o processo administrativo do Conselho Regional de Psicologia do Paraná.

veja também