Ex-traficante fala sobre sua conversão: "Eu conheci um Jesus muito forte"

Com o tráfico de drogas, Mitch Glaser construiu a 'reputação' de um 'negócio estável', mas em uma de suas vendas, seus clientes realmente não tinham intenção de comprar a droga ilícita. Eles queriam roubá-lo - e matá-lo e isto o fez rever seus conceitos.

fonte: Guiame, com informações do God Reports

Atualizado: Quinta-feira, 18 Fevereiro de 2016 as 2:06

Sentir o aço frio de uma escopeta em seu pescoço ajudou a trazer Mitch Glaser para mais perto de Cristo, o qual ele sempre associou a Hitler.

Criado em Nova York, em uma casa judaica tradicional, ele celebrou seu "bar mitzvah" aos 13 anos. Na casa de seus avós, viu imagens de inúmeros parentes exterminados no Holocausto judeu, promovido pelo regime nazista.

"Eles tinham morrido nas mãos de Hitler, e na mentalidade judaica, eles tinham morrido pelas mãos de cristãos", disse Mitch.

"Eu sentia como se Jesus e o cristianismo fossem meus inimigos", disse Glaser, que chegou a trabalhar posteiormente, com o Ministério Povo Escolhido durante 40 anos. "Eu sou uma pessoa que provavelmente não aceitaria Jesus."

Mitch abandonou a faculdade e começou a se envolver com o tráfico de drogas, vendendo maconha com três amigos judeus em San Francisco. Com o tráfico, ele construiu uma 'reputação' de um 'negócio estável', mas em uma de suas vendas, seus clientes realmente não tinham intenção de comprar a droga ilícita. Eles queriam roubá-lo - e matá-lo.

"Um dos rapazes estava gritando: 'simplesmente o mate agora!". O outro disse: 'Não, nós temos que pegar o resto das drogas. Apenas toquem fogo neste lugar", disse Glaser, que foi amarrado enquanto tinha espingardas e revólveres apontados para sua cabeça.

"Minha vida inteira se passou diante dos meus olhos. Eu estava lá, sentado com as mãos atadas, sentindo aquela espingarda fazendo pressão contra o meu pescoço e eu dizia a a mim mesmo: 'Eu não posso acreditar que eu estava disposto a morrer por apenas algumas centenas de dólares", disse ele.

Mitch conseguiu escapar ileso daquela situação e aquilo soou como um alerta, um aviso de que os bens que ele e seus parceiros haviam adquirido com dinheiro do tráfico não valiam a pena pelo risco envolvido no que eles estavam fazendo. Aquilo também foi o início de seu chamado para o cristianismo.

Um velho amigo reapareceu na vida de Glaser falando sobre Jesus. "Eu pensei que ela estava absolutamente louco", disse Mitch.

Mas Glaser achou que deveria acompanhar o amigo, que estava indo a uma programação cristã em Oregon - "nem que fosse para salvá-lo de sua loucura".

"Eu sentia que, como fui criado como um judeu mais tradicional, então eu poderia ajudá-los", disse ele.

Glaser estava preparado para uma luta, mas todos o receberam muito bem. Em um culto noturno, eles curvaram a cabeça, em silêncio. Mitch pensou que as pessoas tinham adormecido ou que estava prestes a "testemunhar uma sessão espírita".

Mas um ancião dirigiu sua voz para aos céus. Glaser não tinha idéia do que estava acontecendo. Na verdade, ele pensou que o líder estava se dirigindo a ele - até que ele ouviu o velho dizer 'Senhor', e ele percebeu que aquela fala não era dirigida a ele.

"Eu nunca tinha ouvido alguém orar como se estivessem realmente falando com Deus", disse Glaser. "Foi simplesmente impressionante. Eu tinha passado por muitas lutas e estava preparado para a guerra. Eu tinha ficado com raiva. E todos esses sentimentos estavam se derretendo porque eu sentia aquela presença forte naquele lugar. Eu comecei a me sentir cada vez menor e menor. A presença era palpável. Eu só sabia que esta era a presença de Deus, e aquilo me mudou".

Sua experiência da primeira infância com a religião era vazia de intimidade com Deus.

Quando ele voltou para a Califórnia, começou a trabalhar em uma floresta de sequóias. Certa noite, ele tropeçou em um exemplar do Novo Testamento em uma cabine de telefone.

"Eu pedi a Deus que se Ele fosse real, se revelasse a mim. E então, encontrei esse Novo Testamento", disse ele.

"Eu sabia que Deus havia deixado aquele Novo Testamento lá para mim", disse Glaser. "Eu o leio ao longo dos próximos dias. Eu ainda esperava os cristãos a serem anti-semitas e Jesus para ser a fonte do anti-semitismo. Mas quanto mais eu leio eu percebi que que Jesus era realmente judeu. Eu sabia que Jesus era o Messias que o nosso povo estava esperando... aquele pelo qual eu estava esperando".

Em vez de ser repelido pelo 'Jesus histórico', ele foi atraído por Cristo e se identificou com Ele.

"Eu senti como se Ele [Jesus] fosse um nova-iorquino esperto das ruas. Ele nunca respondeu a uma pergunta simples. Ele sempre chegou ao cerne da questão. Nós sempre vemos imagens de Jesus na cruz e Ele sempre parece tão 'indefeso'. Mas eu conheci um Jesus muito forte e poderoso no Novo Testamento", relatou.

Não muito tempo depois, Glaser aceitou Jesus em seu coração, em Novembro de 1970, depois de estudar as profecias do Antigo Testamento sobre o Messias e compará-las com os atos de Jesus no Novo Testamento.

À medida que os dias se passavam e ele estava amadurecia em sua fé, ele tomou avaliou as mudanças em sua vida.

"Lembro-me do dia em que eu percebi que eu tinha vendido drogas para adolescentes. Eu estava horrorizado com a minha própria alma", disse ele. "Comecei a chorar e me arrependi, pedindo a Deus que me perdoasse".

Posteriormente, Glaser estudou na Faculdade Bíblica do Nordeste (EUA) e, em seguida, se dedicou a um Mestrado em Divindade Bíblica, no Seminário Teológico Talbot. Seu Ph.D. em Estudos Interculturais veio por meio do Seminário Teológico Fuller, da Escola de Missão Mundial.

Hoje, Glaser é professor adjunto do Seminário Teológico Talbot, onde ele ajudou a estabelecer o Centro de Estudos Judaicos Messiânicos Charles Feinberg, para promover a sensibilização dos judeus sobre Jesus Cristo. Embora seus estudos e ensinos acadêmicos têm sido ferramentas poderosas para o avanço do evangelho, Mitch acha que sua melhor divulgação são aqueles que estão mais próximos dele.

"Minha vida é a melhor maneira de mostrar à minha família e amigos que eu os amo, que eu amo Deus e que eu amo o meu povo", disse Glaser.

 

veja também