"A fé te ensina a viver com coragem", diz fuzileiro cristão que sobreviveu a ataque terrorista

Mark Geist é um dos chamados "Heróis de Benghazi", que sobreviveram a um ataque terrorista à embaixada dos EUA e uma base da CIA na Líbia. A história destes soldados inspirou o filme "13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi", que estreia no Brasil, dia 04 de fevereiro.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 15 Janeiro de 2016 as 12:40

Cena do filme "13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi".
Cena do filme "13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi".

Em um dos lugares mais perigosos do mundo, três heróis militares afirmam que a fé em Deus os ajudou a sobreviver ao ataque terrorista no Consulado dos EUA e a uma base da CIA em Benghazi (Líbia), que matou quatro norte-americanos.

Ocorrido no dia 11 de setembro de 2012, o ataque causou a morte dos fuzileiros navais Christopher Stevens, Tyrone Woods e Glen Doherty, e do especialista em computadores do Departamento de Estado Sean Smith e está documentado no livro "13 Horas: O que Realmente Aconteceu em Benghazi", que também foi inspirou o filme "13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi".

Os fuzileiros Mark "Oz" Geist, John "Tig" Tiegen e ex-soldado do exército Kris "Tanto" Paronto estavam entre seis agentes da CIA que arriscaram suas vidas para salvar os norte-americanos que trabalhavam na Missão Composta Especial do Departamento de Estado. Agora que os registros de primeira mão dos trágicos acontecimentos estão sendo transformado em um filme, os três operadores de segurança estão usando o Youtube para falar sobre relatar como a sua fé cristã foi essencial naqueles momentos de desespero.

Paronto acredita que Deus o protegeu e afirma: "(Deus) estava cuidando de nós e Ele nos tirou de algumas situações", disse o ex-soldado em uma entrevista em vídeo compartilhada com o Christian Post, intitulada "Os heróis reais das 13 Horas: Deus estava conosco".

Enquanto Geist sofreu ferimentos graves em seu braço e precisava submeter-se a mais de 12 cirurgias, ele diz que seu relacionamento com Deus o lembrou que ajudar os outros é mais importante do que as suas próprias necessidades.

"Eu sempre tive esta forte relação com Deus e é isso que está me dá a vida. Não se trata de morrer, mas sim de como você vive sua vida", afirmou Geist. "Minha vida tem sido sempre servir aos outros e me colocar o que é importante para mim em segundo plano".

Tiegen acrescenta que sua fé cristã é um componente importante que o orienta durante situações mais ameaçadoras da vida, como foi o ataque terrorista em Benghazi. "A fé significa muito para mim, é algo que sempre nos guia".

Em outubro de 2015, durante um comitê seleto em Benghazi, em que a ex-secretária de Estado, Hillary Clinton prestou depoimento, foi revelado que faltava segurança ao consulado de Benghazi e apesar de repetidos pedidos de suprimentos do governo Obama, os oficiais que estavam na embaixada foram forçados a comprar itens de segurança, incluindo barricadas, provenientes de outros países ocidentais.

Tiegen disse ao programa 'American Spectator', em setembro 2014, que o consulado falhou em detalhes de segurança.

"Até mesmo a primeira viagem que fiz para Benghazi, eles foram 'econômicos'. Haveria apenas, algo com dois americanos nesse composto ... apenas dois 'RSOs' [Oficiais de Segurança Regional] sentados ali, sem fazer nada. Eles foram sempre escassos e basicamente sem qualquer segurança. Quero dizer, os caras no portão, que não tinha armas; Eu nem acho que eles tinham cassetetes. Houve uma total falta de segurança por lá", relatou.

Falando sobre a instabilidade em Benghazi, Geist descreve a região como "um dos lugares mais perigosos do mundo".

No entanto, Paronto explica que a fé lhes permitiu ir além do chamado do dever de salvar vidas e colocar seus colegas à frente de si mesmos.

"Deus e o serviço como o de caminhar lado a lado. Você está fazendo algo honrado, que está acima de si mesmo", acrescenta Paronto nas entrevista. "A fé ensina-lhe como viver com coragem, como viver com honra, dá-lhe algo pelo quê lutar".

O filme "13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi", dirigido por Michael Bay (o mesmo de "Transformers", "Bad Boys" e "Pearl Harbor") estreou na última quinta-feira nos EUA e deve estrear no Brasil, dia 04 de fevereiro.

veja também