Franklin Graham apoia Donald Trump em barrar a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos

Em seu post no Facebook, Graham, assim como Trump, citou estatísticas de uma pesquisa feita por um Centro de Segurança Político que apontou que uma grande porcentagem de muçulmanos americanos acreditam que a violência contra os Estados Unidos pode ser justificada.

fonte: Guiame, com informações do The Charlotte Observer

Atualizado: Quinta-feira, 10 Dezembro de 2015 as 5:03

Franklin Graham
Franklin Graham

O evangelista Franklin Graham escreveu uma publicação em sua página oficial no Facebook em auxílio de Donald Trump na última quarta-feira (9). No post, ele afirma que a proposta do candidato presidencial republicano para barrar a entrada dos muçulmanos nos Estados Unidos é semelhante às suas próprias chamadas meses atrás para parar toda a imigração muçulmana. Percebendo que alguns políticos republicanos como o presidente da Câmara, Paul Ryan, estão condenando o plano de Trump, Graham escreveu que "os políticos em Washington parecem totalmente desconectado com a realidade".

"Por algum tempo, eu tenho dito que a imigração muçulmana nos Estados Unidos deve ser interrompida. Donald J. Trump tem sido criticado por alguns por ter dito algo semelhante", escreveu.
Essa crítica vem de todo espectro político e religioso, do ex-vice-presidente Dick Cheney para Russell Moore da Convenção Batista do Sul. Em editoriais, páginas e desenhos animados, Trump foi comparado a Adolf Hitler e Benito Mussolini.

Em seu post no Facebook, Graham, assim como Trump, citou estatísticas de uma pesquisa feita por um Centro de Segurança Político que apontou que uma grande porcentagem de muçulmanos americanos acreditam que a violência contra os Estados Unidos pode ser justificada. O fundador e presidente do centro, Frank Gaffney, tem sido criticada por conservadores e liberais, por supostamente promover teorias de conspiração. O próprio centro foi rotulado como "um extremista think tank" pelo chefe do Southern Poverty Law Center, que monitora grupos de ódio.

Graham propôs a proibição da imigração muçulmana para os Estados Unidos em julho, após as mortes de disparo de quatro fuzileiros navais por um cidadão naturalizado norte-americano que tinha postado dois escritos de Islam em um blog. Após os ataques terroristas em Paris no mês passado, Graham reiterou o seu apelo para barrar os imigrantes muçulmanos.

A publicação teve mais de 43.000 compartilhamentos, contudo, a adoção da proposta de Trump, claramente não é compartilhada por todos na comunidade cristã evangélica. Russell Moore, presidente da Ética e Comissão de Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul, escreveu em seu blog que "quem não se preocupa nem um pouco sobre a liberdade religiosa deve denunciar essa retórica irresponsável, demagógica", pontuou.

veja também