Franklin Graham se junta a mais de 850 mil americanos em boicote a rede de supermercados

O presidente da Associação Evangelística Billy Graham argumentou que a identidade de gênero não é algo que as pessoas podem escolher ou sentir. "Nós somos o sexo que Deus nos criou para ser".

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 28 Abril de 2016 as 11:31

A petição argumenta que tal política é "exatamente o que os predadores sexuais precisam para ter acesso às suas vítimas". (Foto: Reprodução).
A petição argumenta que tal política é "exatamente o que os predadores sexuais precisam para ter acesso às suas vítimas". (Foto: Reprodução).

O pastor Franklin Graham disse que está firme com quase 1 milhão de pessoas que assinaram uma petição para boicotar a “Target”, uma famosa rede de supermercados. O motivo é a sua nova política sobre os banheiros que agora permite que os homens possam entrar nos banheiros femininos se eles se identificarem como mulheres.

"A Target está colocando seus acionistas e seus clientes em risco. Desde a última quarta-feira, mais de 854 mil pessoas assinaram um compromisso de boicotar a rede de supermercados sobre sua nova política de banheiros que acolhe os funcionários e clientes para usar os banheiros de acordo com sua ‘identidade de gênero’. A Target certamente tem a prerrogativa de tomar esta decisão, mas está provando ser ruim para os negócios", escreveu Graham em um post Facebook na última terça-feira (26) sobre a petição da Associação Americana da Família.

"Estou contente pelas pessoas que estão se levantando e deixando que eles saibam que isso está errado de acordo com a Associação da Família Americana. Essa política incentiva os predadores sexuais e coloca as mulheres e crianças em perigo. Um homem não deveria entrar em um banheiro feminino só porque ele diz que ‘se sente como uma mulher hoje'. Isso é ridículo", Graham continuou.

O presidente da Associação Evangelística Billy Graham argumentou que a identidade de gênero não é algo que as pessoas podem escolher ou sentir. "Nós somos o sexo que Deus nos criou para ser. Masculino ou feminino, como uma pessoa se sente, isso não muda os fatos", Graham insistiu.

A Target disse que vai permitir que as pessoas com diferentes identidades de gênero, independente do sexo a qual nasceram, entrem no banheiro ou vestiário que eles preferirem. É o que explica um comunicado afirmando que a empresa quer ser mais acolhedora para os funcionários e clientes.

"Nós acreditamos que todos - cada membro da equipe, todos os hóspedes, e cada um da comunidade - merece ser protegido contra a discriminação e tratados de forma igual. Consistente com essa crença, a Target apoia a Lei da Igualdade Federal, que fornece proteção aos indivíduos LGBT e se opõe à ação que permite a discriminação", disse a gigante de lojas.

A petição de AFA argumenta, contudo, que tal política é "exatamente o que os predadores sexuais precisam para ter acesso às suas vítimas. E com a Target ostentando publicamente que os homens podem entrar em banheiros femininos, onde você acha que os predadores estão indo?" declara a petição.

"Claramente, a nova política da Target representa um perigo para as esposas e filhas. Achamos que muitos clientes vão concordar", acrescenta. A petição pede destino para considerar a oferta de banheiros unissex para aqueles que querem usá-los, mas ainda mantém casas de banho separadas para homens e mulheres como uma opção.

Outros conservadores proeminentes, incluindo o criacionista Ken Ham, têm argumentado que as opiniões da Target em relação a identidade de gênero vão "contra a Palavra de Deus". “Bem, a Target precisa ouvir as palavras de Jesus: ‘Não tendes lido que aquele que os fez no princípio os fez macho e fêmea? (Mateus 19: 4)’”, Ham escreveu na semana passada. "Eles precisam ouvir o que Jesus disse em Marcos 10: 6: ‘Mas desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher '", acrescentou. "Eles precisam saber que Deus criou o homem à sua imagem, homem e mulher os criou (Gênesis 1:27)’".

veja também