Gravuras medievais em igrejas podem ajudar a compreender a história do cristianismo, diz pesquisador

Gravuras medievais em igrejas podem ajudar a compreender a história do cristianismo, diz pesquisador

Atualizado: Quarta-feira, 2 Abril de 2014 as 2:19

Talvez estejamos acostumados a associar grafite com rabiscos pulverizados sobre a arquitetura urbana, mas o grafite dos tempos pré-Reforma [Protestante] são uma fonte de fascinação para Matt Champion. Ele está liderando uma equipe na identificação e registros de graffiti em mais de 200 igrejas medievais em Norfolk [um condado do leste britânico], catalogando seus achados e considerando suas implicações para a forma como abordamos o nosso conhecimento da fé nos tempos medievais.

Matt está agora na esperança de expandir o projeto NMGS - "Norfolk Medieval Graffiti Society" ("Sociedade do Graffiti Medieval de Norfolk") e começar examinando cerca de 450 igrejas medievais do condado, bem como implantar projetos semelhantes em todo o Reino Unido. Ele diz que sentiu-se sobrecarregado pelo grande número de gravuras que suas equipes têm encontrado até o momento.

"Nós pesquisamos quase 300 igrejas e acumulamos uma base de dados de 27.000 imagens. Isso não ainda não inclui a própria catedral, que estimamos que tenha entre 5.000 e 12.000 inscrições que datam do século 12 até os dias de hoje. É absolutamente fascinante", disse o pesquisador.

Matt ainda destacou ainda que surpreendentemente este tipo de gravura era muito comum e ainda não havia sido descoberto.

"Quanto mais procuramos, mais nós percebemos que as inscrições de graffiti eram muito comuns. Estamos descobrindo números significativos em quase 70% das igrejas que pesquisamos. É um novo tipo de material medieval que ninguém realmente havia visto antes", revelou.

Embora muitos hoje poderiam recuar com o pensamento de graffiti em um lugar de adoração, Matt insiste que a cultura da igreja era muito diferente na Inglaterra medieval.

"Parece estranho se olharmos pela nossa atitude moderna em relação ao grafite Hoje ele é visto como prejudicial e geralmente anti-social , não é algo aceitável em uma igreja. Mas isso não foi o caso no passado. Estas inscrições são como um ato devocional na natureza, literalmente orações em pedra", explicou.

O pesquisador também explicou que as inscrições - assim como outros tipos de arte - fazem referência a assuntos diversos relacionados à espiritualidade.

"Há referências a demônios, maldições, orações, marcas de proteção ritual. Esta era uma prática aceita pela igreja daquela época", destacou.

Matt afirma que a igreja moderna poderia aprender com estas novas descobertas.

"Isso nos ajuda a entender como a igreja paroquial funcionava no período medieval. Ela era uma parte essencial da vida paroquial, tanto física como espiritualmente, que é uma lição que muitas igrejas modernas poderiam aprender. A Igreja é mais do que um lugar para vir uma vez por semana e orar. Ele é o centro da comunidade", disse.

Para saber mais sobre esta pesquisa, acesse: medieval-graffiti.co.uk

Com informações do ChristianToday.com

*Tradução por João Neto

veja também